Geral

Ressocialização: projeto garante trabalho para detentas na fazenda da Santa Casa de Cachoeiro

COMPARTILHE
Divulgação
462

Cinco detentas da Penitenciária Regional Feminina de Cachoeiro começaram a trabalhar na Fazenda da Santa Casa de Misericórdia Cachoeiro. A iniciativa faz parte do projeto “Cuidar de Vidas”, desenvolvido pelo hospital, que tem como objetivo a ressocialização e a inclusão delas no mercado de trabalho.

PMs envolvidos em ação que matou Ágatha serão ouvidos no Rio

Os policiais militares envolvidos na ação que resultou na morte da menina Ágatha Vitória...

PM apreende 75 veículos em 'pancadões' na zona leste de São Paulo

A Polícia Militar (PM) apreendeu 75 veículos, um trailer e três CNHs durante uma...

Primavera começa hoje, mas chuvas devem se fixar apenas em outubro

A primavera começa nesta segunda-feira (23) em todo o hemisfério sul do planeta. No...

O início oficial das atividades aconteceu durante um evento que contou com a presença do Superintendente da Santa Casa, Pe. Evaldo Ferreira, a diretora do presídio, Leida Maria Ayres, além de representantes da pastoral Carcerária, Cáritas Diocesana e Sicoob Credirochas.

A iniciativa prevê, durante 12 meses, utilizar a mão de obra das detentas na produção de alimentos como hortifrutigranjeiros, ovos e carne. E esses alimentos mais saudáveis serão utilizados nas refeições para pacientes e funcionários do hospital.

Continua depois da publicidade

Salário

Cada detenta vai receber um salário mínimo por mês, sendo que 50% são destinados para a família e o restante vai para uma poupança que poderá ser sacado quando elas cumprirem a pena.

Além disso, a cada 15 dias suas famílias vão receber uma cesta básica dos produtos produzidos na horta da fazenda.

As despesas com o salário serão pagas graças a uma parceria da Santa Casa com o Sicoob Credirochas. O superintendente pe. Evaldo Ferreira frisou a importância do envolvimento de toda a sociedade nesse processo de inclusão e ressocialização dessas mulheres.

“Essas detentas vão ter uma oportunidade de trabalhar, gerar renda, e ainda contribuir com sua mão de obra para produzir os alimentos para o hospital e também o lar dos idosos. E esse projeto não seria possível sem o apoio dos empresários do nosso município”.

Para o presidente do Sicoob Credirochas, Talles Machado, esse projeto está muito bem estruturado, iniciando com diretrizes e evidências de que tem tudo para dar certo.

“É um projeto bonito e com um objetivo muito positivo. Mexe com o coração da gente a oportunidade que as detentas estão recebendo. Nós vimos a alegria no rosto delas. É um projeto tem muita dedicação, muito estudo, planejamento e que vai trazer muitos pontos positivos. Nós estamos muito satisfeitos de poder contribuir e queremos parabenizar tanto o padre Evaldo como toda a sua diretoria por mais essa iniciativa”.

Capacitação

O administrador da Fazenda, Sergio Mariano, informou que a expectativa é de que a fazenda possa gerar uma economia de R$ 1 minhão por ano para o hospital. Ele reforçou ainda  importância da capacitação dessas mulheres.

“O fator primordial é fazer com que elas possam sair daqui com a garantia de que podem trabalhar em diversas áreas com apicultura, horticultura, avicultura e piscicultura”, declarou.

Além da oportunidade de trabalho, essas mulheres também terão acompanhamento psicopedagógico, técnico, jurídico, médico, social e espiritual, feito por agentes voluntários capacitados nestas respectivas áreas de atuação.

Ao final do processo, cada trabalhadora receberá um certificado emitido pela secretaria de Ensino e Pesquisa da Santa Casa, constando as horas trabalhadas em cada modalidade.

Publicidade