Espírito Santo

Nascem primeiros filhotes de onças-pintadas em cativeiro no Espírito Santo

COMPARTILHE
1742

No ano em que ambientalistas alertaram que a onça-pintada (Panthera onca) é um dos animais sob risco de extinção no Brasil, uma boa notícia vinda do Zoo Park da Montanha, em Marechal Floriano, dá uma esperança para a preservação do maior felino das Américas. Pela primeira vez no Espírito Santo, nasceram dois filhotes de onças-pintadas em cativeiro.

Contratações na indústria do ES devem ser duas vezes maior que em 2019 nos próximos 18 meses

Nos próximos 18 meses, as indústrias localizadas no estado devem criar um número de...

ES terá mais Escolas em Tempo Integral e Ensino Integral integrado ao Técnico em 2020

A partir do ano letivo de 2020, o Governo do Estado, por meio da...

TRE-ES elege nova mesa diretora para biênio 2020/2021

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES) elegeu na tarde desta...

A reprodução em cativeiro é considerada rara, já que é preciso que os animais estejam em ambiente adequado, livre de estresse e que o casal tenha afinidade. Os irmãos são filhos da onça-pintada Tupã e do macho Negão. O pai morreu antes de ver seus filhos nascerem.

Mas, Negão, que era uma onça-preta, deixou sua genética bem reforçada, já que um dos filhotes é preto. Essa variação na pelagem é chamada de melanismo, que é o aumento concentrado e considerável de pigmentação preta, que ocorre por mutação genética em animais, no corpo inteiro.

Continua depois da publicidade

Os filhotes nasceram no último dia 20 de junho, mas só agora estão sendo divulgados. O primeiro a nascer foi o pintado, e cerca de 20 minutos depois nasceu o preto. A gestação das onças dura de 90 a 110 dias. Os irmãos já passaram por avaliações de veterinários e estão adaptados ao zoológico.

Brincalhões, os filhotes estão sadios e já mostram seu lado feroz, um exemplo é que já começaram a comer carne moída. Na manhã desta sexta (30), eles tomaram o primeiro banho, sob o olhar atento da mamãe onça, que chegou a retirar um dos filhotes da água. No Brasil, esse é o terceiro nascimento de onças-pintadas em cativeiro em 2019. Os outros foram em Goiânia (GO) e em Foz do Iguaçu (PR).

Ferozes e sadios

Os pequenos felinos foram avaliados pela equipe de profissionais do zoológico quando tinham 45 dias de vida. Na ocasião, já pesavam 3,9 e 4 quilos. Eles ainda não poderão ser vistos pelos visitantes do zoológico, já que por precaução, eles precisam estar maiores para não se estressarem com a presença de pessoas. Nos próximos dias, os visitantes do Zoo Park da Montanha poderão ver o dia a dia da mãe Tupã e os filhotes, por uma tela de TV. Ainda não se sabe quando o sistema estará disponível.

Com menos de cinco anos no zoológico, a mãe Tupã veio Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), do Exército, que fica em Manaus, capital do Amazonas. Já o Negão, pai dos filhotes, chegou ao zoológico vindo de Belém, no Pará.

A veterinária Kristal Furno, que atua no Zoo Park da Montanha, contou que no Brasil há uma única espécie de onça-pintada, que é a (Panthera onca). Entretanto, a espécie ocorre em cinco biomas: Amazônia, Mata Atlântica, Caatinga, Cerrado e Pantanal. E pode haver diferenças no tamanho e no peso dos animais de acordo com a região onde vivem. As existentes do zoológico são da Amazônia.

“A população de felinos em cada um desses biomas sofre diferentes tipos e níveis de ameaças, por isso é importante a reprodução em cativeiro. E quando isso acontece, como é o nosso caso no zoológico, é um dos indicadores de que os animais estão sendo bem tratados e com o ambiente adaptado a eles”, informou a veterinária.

A bióloga Thatiane Lázaro Corona Borlini destacou que a reprodução em cativeiro dessa espécie não é fácil. “É preciso de manejo e muito cuidado, pois é natural a mãe ‘comer’ os filhotes, principalmente por estresse ou medo”, informou. Esse é um dos motivos de os filhotes ainda não estarem disponíveis para serem vistos.

Ainda segundo a bióloga, a reprodução em cativeiro contribui muito para a conservação da espécie. “Esses filhotes podem fornecer material genético para projetos de pesquisa que trabalham nessa causa, tentando a reintrodução de animais em vida livre”, disse.

O período de aproximação entre o macho e a fêmea demorou, aproximadamente, seis meses até a total interação entre eles. A equipe técnica, composta pela bióloga Thatiane, a veterinária Kristal e o veterinário Eduardo Lázaro de Faria da Silva, acompanhou desde a cópula ate os primeiros sinais de contração.

Foram instaladas câmeras na área de manejo, onde todo o parto, bem como os primeiros cuidados da mãe com os filhotes foram acompanhados. “Ficamos 24 horas de plantões, monitorando os filhotes e acompanhando todo comportamento da mãe, que é uma mãezona”, afirmou Kristal.

Reprodução de onças no zoológico era um sonho do fundador

De acordo com a gestora do Zoo Park da Montanha, Rosângela Vieira, o objetivo é continuar contribuindo com a preservação da espécie, com a reprodução de mais onças. “Temos mais uma onça, a Tainá, que queremos que reproduza também. Uma das funções dos zoológicos é a manutenção de espécies. E se conseguirmos reproduzir mais onças-pintadas, podemos enviar para outros locais no Brasil que trabalham na manutenção da espécie”, contou Rosângela.

Ela afirmou que a reprodução das onças no zoológico é emocionante, pois era um sonho de seu pai, Romeu Nunes Vieira, criador do local, e falecido em fevereiro de 2017. “Dedicamos a ele essa conquista. Estamos muito felizes com o trabalho da nossa equipe, que se dedicou incansavelmente a esse projeto e vamos dar continuidade a esse sonho de meu pai, que está vivo entre nós”, afirmou.

E os visitantes que estiverem no Zoo Park da Montanha neste sábado (31), poderão saber qual o sexo dos dois filhotes, que ganharão um chá de revelação para celebrar esse momento. Nos próximos dias também será feita uma campanha para a escolha dos filhotes.

 

Mais de 150 espécies de animais

A criação dos animais que hoje estão no zoológico foi iniciada em 1979 pelo comerciante Romeu Nunes Vieira, falecido em fevereiro de 2017, que havia comprado uma propriedade para iniciar a criação de animais: sua paixão de criança. Com o passar dos anos, a quantidade e variedade foram aumentando e surgiu a ideia de transformar o local em zoológico.

Em 1989 foi dado início a um processo junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para estruturar o local com todas as exigências de um zoológico. Após vencer todas as etapas burocráticas, em 2012 o Zoo Park da Montanha passou a atender visitantes.

O local conta com mais de 700 animais de 150 espécies e provenientes de mais de 10 países. Entre os animais que podem ser vistos, se destacam: leão, onças, tigres, harpias, macacos, araras, cervos, antas, emus, emas, lobo-guará, flamingo, avestruz, jacaré e outras dezenas de espécies de aves, mamíferos e répteis.

Publicidade