Cidades

Justiça estabelece novo valor de fiança para secretária de Educação de Piúma sair da prisão

COMPARTILHE
972

A Justiça estabeleceu na noite desta segunda (19), novo valor de fiança para a secretária de Educação de Piúma, Isabel Fernanda Scherrer, o marido dela, Carlos Antônio Castro e a funcionária deles, Ricarda dos Santos Souza.

Vila Velha tem 145 vagas para cursos de qualificação gratuitos em diversas áreas

O Sistema Nacional de Emprego de Vila Velha (Sine-VV), em conjunto com o Serviço...

Produtores e exportadores mundiais de café se reúnem para encontrar solução para crise no setor

CEOs, executivos e líderes globais do setor cafeeiro participam do Fórum da Organização Internacional...

Brasil deseja prorrogação de Acordo da OIC, mas tendência é renovação, diz fonte

A dois anos da necessidade de renovação do Acordo Internacional do Café (AIC), que...

Antes da nova decisão, o valor foi arbitrado em R$ 89.820 mil. Agora, Isabel e o marido terão de pagar R$ 44.910 mil, cada um, para saírem da prisão. Já Ricarda deve pagar um salário mínimo.

Os advogados dos suspeitos entraram com uma ação para reduzir o valor da fiança inicial, tendo como base a situação financeira do casal.

Continua depois da publicidade

Isabel e Ricarda continuam detidas no Centro de Detenção Provisoria Feminino de Cachoeiro de Itapemirim. Já Marcos está preso no Centro de Detenção Provisoria, no mesmo município.

Entenda o caso

Três pessoas foram presas em flagrante, na tarde da última terça-feira (13), em Piúma, suspeitas de vender de certificados falsos de cursos de extensão. Entre elas, está a secretária municipal de Educação, Isabel Fernanda Scherrer, proprietária do Viva Instituto de Pesquisa e Cursos Educacionais. O marido dela e uma funcionária também foram presos. A investigação partiu do Ministério Público de Anchieta.

O delegado David Santana Gomes prendeu os suspeitos no momento em que faziam a entrega de um certificado falso para uma mulher, que teria comprado o documento por telefone pouco antes da entrega.

O MP já investigava a empresa há cerca de três anos e solicitou ao titular da delegacia de Piúma, o cumprimento da prisão em flagrante no momento da entrega do certificado. A encomenda foi feita, segundo a polícia, cerca de uma hora antes da entrega.

A mulher pagou R$ 150 pelo certificado via depósito bancário. A declaração de conclusão afirmava que a contratante havia cumprido 200 horas de um curso, não revelado a especificação. O processo corre em segredo de justiça.

 

Publicidade