Espírito Santo

Fraudes no Detran/ES: Gaeco cumpre mandados de prisão em Marataízes e Itapemirim

COMPARTILHE
4329

O Ministério Público do Espírito Santo (MPES), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-Central) cumpriu nesta segunda-feira (12) mais dois mandados de prisão temporária e de busca e apreensão em Marataízes e Itapemirim.

TRE-ES elege nova mesa diretora para biênio 2020/2021

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES) elegeu na tarde desta...

Decreto torna obrigatória a instalação de energia solar em novas edificações do Executivo estadual

O governador do Estado, Renato Casagrande, assinou, nesta segunda-feira (14), o decreto que institui...

Selecionados no programa CNH Social ES têm até a próxima segunda (14) para se matricular

Os selecionados no Programa CNH Social 2019 têm até a próxima segunda-feira (14) para...

Esta é a segunda fase da “Operação Replicante” apura fraudes em registros de veículos do Espírito Santo, mediante inserção de dados e documentos falsos no Detran/ES.

Os mandados foram expedidos pela 3ª Vara Criminal de Vila Velha, em continuidade às investigações deflagradas no dia 1, deste mês, quando houve a prisão de dez pessoas. A ação teve apoio do Núcleo de Inteligência da Polícia Rodoviária Federal (PRF-ES) e da Polícia Militar do Estado.

Continua depois da publicidade

Foram presos hoje um servidor do Detran-ES e uma pessoa que seria a intermediária do esquema. As investigações seguem sob sigilo, com análise do material apreendido e oitiva dos envolvidos pelos integrantes do Gaeco.

A operação apura a existência de uma organização criminosa destinada à prática de fraudes em registros de veículos no Estado do Espírito Santo, mediante inserção de dados e documentos falsos no sistema do Detran/ES. Estão sob investigação 895 registros de veículos, uma fraude estimada em mais de R$ 100 milhões.

As investigações revelaram provas de fraudes no registro de veículos em nome de inúmeras pessoas (mais de 400 proprietários “laranjas”), com utilização de notas fiscais falsas contendo números de chassis correspondentes a veículos exportados ou comercializados ao Exército Brasileiro, bem como corrupção de servidores públicos do Detran-ES.

Publicidade