Política Regional

Ex-prefeito de Bom Jesus do Norte é condenado a ressarcir R$ 50 mil aos cofres municipais

COMPARTILHE
Foto: Arquivo
1230

O ex-prefeito de Bom Jesus do Norte, Ubaldo Martins de Souza, foi condenado pelo Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE-ES) a devolver  cerca de R$ 50 milaos cofres municipais, em razão do atraso no pagamento de contribuições previdenciárias. Além do valor equivalente 20.977,45 VRTE, ele terá de pagar multa de R$ 1 mil.

STJ nega pedido de liberdade a assassino de ex-governador do Espírito Santo, Gerson Camata

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou na noite desta quarta-feira (16) pedido do...

Irupi é o primeiro município do Caparaó a implantar projeto “Câmara sem Papel”

A Câmara Municipal de Irupi implantou nesta semana o projeto “Câmara sem Papel”, com...

Em seu dia, professores conduzem sessão ordinária na Câmara de Cachoeiro

Nesta terça-feira (15),  Dia do Professor, o presidente da Câmara de Vereadores de Cachoeiro,...

De acordo com informações que constam no Processo TC 9538/2016, o valor a ser ressarcido pelo ex-prefeito se refere a juros e multas que a Prefeitura de Bom Jesus do Norte precisou pagar devido à omissão do chefe do Executivo municipal.

O relator do caso, conselheiro Rodrigo Coelho, esclareceu em seu voto que “a conduta do responsável compreendeu deixar de ordenar o pagamento tempestivo de contribuição previdenciária, dando causa à cobrança onerosa de encargos financeiros, praticando, dessa forma, ato de gestão antieconômico, implicando em ressarcimento ao erário”.

Continua depois da publicidade

A decisão foi tomada pela Segunda Câmara do TCE-ES, no último dia 21, ao julgar tomada de contas especial instaurada pela Prefeitura de Bom Jesus do Norte em 2016, após determinação da Corte de Contas para que fosse feita a apuração e quantificação dos danos causados pelo recolhimento em atraso, ao INSS, das contribuições previdenciárias retidas de servidores e terceiros no exercício de 2013, assim como a responsabilidade e o ressarcimento aos cofres do município.

Os conselheiros seguiram o posicionamento da área técnica do Tribunal, acompanhado integralmente pelo MPC.

Publicidade