Cidades

Com boa gestão, Anchieta e Cachoeiro conquistam nota "A" do Tesouro Nacional

COMPARTILHE
369

O Tesouro Nacional divulgou ontem o ranking das Finanças dos Municípios Brasileiros referentes ao ano de 2018. Anchieta e Cachoeiro, pelo segundo ano consecutivo, obtiveram nota “A”.

Banco de Alimentos de Cachoeiro já distribuiu 170 toneladas de mantimentos neste ano

Nesta quarta-feira (16), é celebrado o Dia Mundial da Alimentação, data alusiva à fundação...

Anchieta passa a realizar licitações com foco nos empreendedores do município

As licitações da Prefeitura de Anchieta ocorrem geralmente no auditório, mas, a partir de...

Guaçuí sedia o 1º Encontro de Abrigos da região

Guaçuí recebeu a primeira edição do Encontro de Abrigos da região. O evento aconteceu...

A classificação coloca os dois municípios sulinos entre os que são exemplos em equilíbrio financeiro. Conseguir nota “A” do Tesouro Nacional significa estar em dia com certidões de regularidade, ter capacidade de pagamento, ficar apto a realizar operações de crédito e estar em dia com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

A notícia foi muito comemorada pelo prefeito Fabrício Petri, que afirma ser esse o resultado de muito trabalho e dedicação ao município que enfrenta uma grave crise em seu orçamento por conta da paralisação das atividades da Mineradora Samarco.

Continua depois da publicidade

“Tivemos dois anos de muito arrocho para chegar onde chegamos. Ou fazíamos isso ou o município quebrava. Hoje estamos colhendo os frutos, um município com as finanças equilibradas, com o reconhecimento do Tesouro Nacional e com capacidade de investimento”, comemorou Fabrício Petri.

Quem também comemorou a classificação foi a equipe do prefeito de Cachoeiro, Victor Coelho. “A Classificação “A” emitida pela Secretaria do Tesouro Nacional, pelo segundo ano consecutivo ao nosso município, é o reconhecimento de uma gestão fiscal eficiente, que através de suas ações planejadas equilibrou contas, colocando nosso município no ranking entre melhores municípios para se investir no País”, disse o secretário municipal da Fazenda, Eder Botelho.

Metodologia

Pela metodologia da Capag, a classificação dos entes (Estados, Distrito federal e municípios) é definida a partir de indicadores de endividamento, poupança corrente e liquidez.

O indicador de endividamento é calculado pela relação entre dívida consolidada bruta e receita corrente líquida. A poupança corrente busca verificar se o ente está poupando o suficiente para absorver um eventual crescimento das suas despesas correntes acima do aumento das receitas correntes

 

Publicidade