Política Regional

Carro de Boi: MPF não se opõe ao retorno de Valmir Santiago para a Câmara de Guaçuí

COMPARTILHE
1044
Advertisement
Advertisement

O Procurador da República, Alexandre Senra, emitiu parecer favorável para que o vereador Valmir Santiago (PTB) retorne às suas atividades parlamentares na Câmara de Guaçuí.

Fayda Belo articula com cúpula progressista, alianças para sua pré-candidatura à prefeitura de Cachoeiro

A advogada Fayda Belo, presidente do Partido Progressistas (PP) e pré-candidata a prefeita de...

Presidente Kennedy: após oito meses na prisão, Justiça autoriza soltura de José Augusto

Após oito meses preso no Centro de Detenção Provisória de Viana II, a Justiça...

Luciano Machado reafirma que não será candidato a prefeito de Guaçuí em 2020

O deputado estadual Luciano Machado (PV) reafirmou, nesta quinta-feira (2), que não será candidato...

O vereador e outras dez pessoas foram presos no dia 7 de maio deste ano durante a operação “Carro de Boi”, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, para apurar desvio de recursos públicos na Santa Casa de Guaçuí.

No documento, enviado a 2ª Vara Federal Criminal de Vitória, Senra também deu parecer informando que o Ministério Público Federal (MPF) não se opõe para que o empresário Carlos Alberto de Almeida, o “Carlinhos Boi”, e seus filhos, os médicos Eduardo José de Oliveira Almeida e Victor Oliveira Almeida, possam ingressar a clínica de propriedade deles.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Em relação ao pedido dos réus para que os bens e materiais apreendidos na operação fossem restituídos, o MPF requereu o indeferimento, pois ainda estão sendo analisados pelos investigadores. O parecer foi favorável apenas para a liberação de documentos pessoais e cartões bancários da família Almeida.

Declaração de incompetência

No mês passado, o juiz da 2ª Vara da Comarca de Guaçuí, Bruno Fritoli Almeida, declarou incompetência da Justiça Estadual para atuar na ação, já que o Ministério Público Estadual entendeu que o processo de investigação é referente a desvio de recursos da União. Por esse motivo o caso foi encaminhado para a Justiça Federal.

 

Advertisement

 

 

 

Advertisement
Publicidade