Economia

G-7: EUA e Japão fecham acordo; Japão vai comprar excedente de milho americano

COMPARTILHE
19

O presidente americano, Donald Trump, disse que os Estados Unidos e o Japão chegaram a um acordo comercial que, “em princípio”, abriria caminho para mais exportações agrícolas norte-americanas para o Japão, ao mesmo tempo em que abandonaria a ameaça de aumento de tarifas norte-americanas sobre carros japoneses.

Plataformas ajudam a projetar diversidade no mercado de trabalho

Superar barreiras sociais e garantir espaço no mercado de trabalho ainda é um desafio...

IIF: Incerteza prevalece em mercado de 'repo', mas liquidez de BCs tranquiliza

Ao passo em que a incerteza ainda prevalece nos mercados de empréstimos interbancários de...

'Mulheres não precisam ser perfeitas', diz ativista por computação feminina

A primeira programadora do mundo foi uma mulher, Ada Lovelace. A americana Grace Hopper,...

“Estamos trabalhando em um acordo com o Japão há muito tempo”, disse Trump em um evento improvisado na cúpula do G7, onde se juntou pela segunda vez com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. Trump disse que, como parte do acordo, o Japão concordou em comprar uma parcela significativa do excedente de milho dos EUA.

As tarifas de automóveis dos EUA, que as autoridades japonesas queriam ver reduzidas, permanecerão onde estão, disse Trump. No entanto, o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, disse que outras tarifas dos EUA seriam retiradas. Trump disse esperar que os líderes assinem o acordo no próximo mês, na ocasião da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Continua depois da publicidade

Abe disse que ainda há “algum esforço remanescente que precisa ser feito no nível de trabalho”, mas que os dois lados chegaram a um consenso sobre as questões centrais do comércio agrícola e industrial. O primeiro-ministro disse que o setor privado do Japão compraria milho dos EUA por causa de problemas com pesticidas. “O setor privado japonês ouve o setor público japonês”, brincou Trump. “É um pouco diferente.”

Trump retirou os EUA da não ratificada Trans-Pacific Partnership de 12 nações, que incluiu o Japão, em seu primeiro dia de trabalho no escritório em 2017. Um TPP revisado entrou em vigor no ano passado sem os EUA, e agora os agricultores americanos estão reclamando que os países membros – incluindo Austrália, Canadá e Nova Zelândia – e a União Europeia têm maior acesso aos mercados japoneses de carne bovina, suína e laticínios, há muito protegidos.

Os agricultores americanos também estão sofrendo com a queda nas vendas para a China, que cortou as compras agrícolas dos EUA em retaliação às tarifas de Trump sobre mais de US $ 250 bilhões em importações chinesas. O ministro da Revitalização Econômica do Japão, Toshimitsu Motegi, disse em Washington, no início desta semana, que as negociações entre o Japão e os EUA estavam em seus estágios finais.

Uma opção que os negociadores estavam buscando é fechar um acordo que não precisaria de ratificação no Congresso, de acordo com pessoas familiarizadas com as negociações. Ainda não está claro se o acordo anunciado no domingo precisaria passar pelo Congresso. Fonte: Dow Jones Newswires.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade