Economia

Bolsas da Europa fecham em queda após escalada nas tensões entre EUA e China

COMPARTILHE
14

Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta sexta-feira em queda, todos nas mínimas do dia, em meio à escalada das tensões entre os Estados Unidos e a China. Pela manhã, o país asiático anunciou tarifas entre 5% e 10% para US$ 75 bilhões de importados dos EUA. O presidente americano, Donald Trump, em retaliação, declarou em seu Twitter que anunciará medidas de resposta pela tarde. Diante do cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,75%, aos 370,40 pontos.

Reforma administrativa pode demorar um pouco, diz Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse neste domingo, 17, que a reforma administrativa...

Gustavo Werneck, da Gerdau: Choque digital como questão de sobrevivência

Como uma empresa da chamada "economia real" lida com as mudanças de um mundo...

Custo de um filho em São Paulo pode variar 104 vezes, dependendo do bairro

Giuliana Pierri e Luciene Bertolazi estão separadas por apenas 22 quilômetros. Mas não poderiam...

A China decidiu, nesta sexta-feira, impor tarifas de 5% a 10% sobre mais US$ 75 bilhões em mercadorias americanas, o que passará a valer em duas etapas: em 1º de setembro e 15 de dezembro. “É uma medida forçada para lidar com o unilateralismo e o protecionismo comercial dos EUA”, disse o Conselho Estatal da China.

Depois disso, Trump declarou que retaliará a medida nesta tarde, e que as empresas americanas estavam ordenadas a “começarem imediatamente a procurar alternativa à China, inclusive trazendo suas fábricas para cá e fazendo seus produtos nos EUA”. “Nós não precisamos da China e, francamente, seria melhor sem eles”, declarou o líder da Casa Branca.

Continua depois da publicidade

O cenário causou oscilações nos mercados internacionais. As bolsas europeias abriram em alta, mas caíram após a retaliação da China. Elas chegaram a ganhar força em meio a um discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, interpretado como “dovish”, mas voltaram a cair, até o fechamento, após o anúncio de Trump. “O apetite por risco desaparece com os temores renovados em relação à guerra comercial”, diz um relatório do BBVA enviado a clientes.

Em Paris, a STMicroelectronics, empresa franco-italiana da área de microchips cujos papéis são bastante influenciados por questões envolvendo a guerra comercial EUA-China, perdeu 4,65%. Por lá, o índice CAC 40 caiu 1,14%, aos 5.326,87 pontos. Na comparação semanal, a praça parisiense subiu 0,49%.

Com isso, o índice DAX, da bolsa de Frankfurt, encerrou o dia em queda de 1,15%, aos 11.611,51 pontos, com perda de 3,09% da Daimler e avanço semanal de 0,42%. Entre as montadoras, a Fiat se desvalorizou 2,17% na bolsa de Milão, onde o índice FTSE MIB perdeu 1,65%, aos 20.473,86 pontos. Na semana, Milão teve ganho de 0,74%.

Em meio às discussões do Brexit, o índice FTSE 100, da bolsa de Londres, cedeu 0,47%, para 7.094,98 pontos, com perda de 0,31% na semana.

O índice Ibex 35, da bolsa de Madri, fechou em queda de 0,77%, aos 8.649,50, com alta de 1,49% na comparação semanal, enquanto o índice PSI 20, da bolsa de Lisboa, encerrou em baixa de 1,33%, aos 4.792,47 pontos, em queda de 0,24% na semana.

Eduardo Gayer
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade