Geral

Bolsonaro nomeia reitor que teve 4,6% dos votos para Universidade Federal do CE

COMPARTILHE
19

O presidente da República, Jair Bolsonaro, nomeou o terceiro colocado na lista tríplice para reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC). A nomeação do professor de Direito e advogado criminalista Cândido Albuquerque, de 62 anos, foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União na noite desta segunda-feira, 19.

PMs envolvidos em ação que matou Ágatha serão ouvidos no Rio

Os policiais militares envolvidos na ação que resultou na morte da menina Ágatha Vitória...

PM apreende 75 veículos em 'pancadões' na zona leste de São Paulo

A Polícia Militar (PM) apreendeu 75 veículos, um trailer e três CNHs durante uma...

Primavera começa hoje, mas chuvas devem se fixar apenas em outubro

A primavera começa nesta segunda-feira (23) em todo o hemisfério sul do planeta. No...

No processo de consulta à comunidade acadêmica, Albuquerque obteve apenas 610 votos (4,61% do total de votantes). O primeiro colocado foi o professor Custódio Luís Silva de Almeida, que, obteve 7.772 votos. O reitor nomeado tem como vice o professor Glauco Lobo Filho, da Faculdade de Medicina.

“Vou resgatar o protagonismo dos verdadeiros talentos, mantendo a pluralidade de ideias. Será um desafio necessário e urgente”, disse Albuquerque após a nomeação.

Continua depois da publicidade

Ele deve tomar posse ainda nesta semana em solenidade em Brasília comandada pelo presidente Bolsonaro e pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. O atual reitor, Henry de Holanda Campos, transmitirá o cargo na reitoria da UFC, em Fortaleza, na próxima sexta-feira, 23.

A nomeação de Albuquerque provocou críticas do Diretório Central dos Estudantes (DCE), do Sindicato dos Docentes e do Sindicato dos Servidores, que prometem fechar a reitoria na noite desta terça-feira, 20. “A última consulta para reitor deu uma ampla vitória ao professor Custódio Almeida, com 7.772 votos, expressando claramente o desejo da comunidade universitária, enquanto os outros candidatos tiveram cerca de 2.500 votos e o último colocado, agora nomeado por Bolsonaro, apenas 610 votos”, informaram, em nota, estudantes, funcionários e professores da UFC.

“Em vista disso, só reconhecemos um reitor, aquele eleito pela comunidade universitária. Só ele tem legitimidade para ser o dirigente máximo da UFC”, continua, ainda, o texto. Para o grupo, a nomeação de Albuquerque é uma medida “autoritária e prejudicial à universidade”.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Albuquerque destacou mudanças no País. “Tinha um governo de esquerda, foi para um governo liberal. Tem um panorama novo e temos de dialogar com tolerância.” Segundo ele, o número de opositores é pequeno. “Não fui escolhido para ser líder político. Dividir não é bom. Debate ideológico não é bom.”

Albuquerque também criticou o processo para a escolha do cargo. “Nessa eleição direta, no lugar de servir para buscar um gestor para a universidade, trava-se uma batalha ideológica e gera disputa política”, disse. “Precisamos rever esse processo. Desde o começo da minha campanha eu me posiciono contra esse processo. Nas vinte melhores universidades do mundo há um comitê que escolhe o reitor, inclusive com 50% de pessoas fora da universidade.”

À reportagem, Albuquerque disse que é preciso modernizar a universidade e que tem o plano de criação de uma pró-reitoria de Inovação e de uma pró-reitoria ou secretaria de Empreendedorismo. Também pretende rever a posição da UFC de não aderir ao programa federal Future-se. “Não podemos ficar contra ou a favor. Só com ele formatado é que poderemos ter posição. O País só vai sair da crise através da universidade. Não podemos ter medo do governo federal. Vamos ter dinheiro. Por isso conclamo toda a comunidade acadêmica. O processo eleitoral acabou”, disse.

Procurados, os professores Custódio Almeida e Maria Elias, que faziam parte da lista tríplice, não quiseram se manifestar sobre a nomeação de Albuquerque. O atual reitor Henry Campos desejou boa sorte ao novo reitor e disse que o maior desafio será a convivência com o atual governo. “O professor terá de ter habilidade muito grande com o MEC para que a gente não pare de produzir.”

Quem é o novo reitor

Piauiense, Cândido Albuquerque é advogado criminalista com 38 anos de carreira, ex-diretor da Faculdade de Direito, mestre em Ordem Jurídica Constitucional pela UFC (2009) e doutor em Educação Brasileira, também pela UFC (2016). É docente da UFC desde 1991, lecionando a disciplina Direito Penal na Graduação e pós-graduação.

Outras nomeações

Não é a primeira vez que Jair Bolsonaro nomeia um reitor de universidade sem acatar a decisão da maioria da comunidade universitária. Há dez dias, Bolsonaro nomeou o terceiro nome da lista tríplice, o professor Janir Alves Soares, como novo reitor da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Antes, ele já havia nomeado o segundo e terceiro colocados, respectivamente, para as federais do Triângulo Mineiro (UFTM) e do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Apesar de a escolha do reitor ser prerrogativa do presidente, a nomeação de candidato menos votado rompe uma tradição que se mantinha desde 2003, na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lauriberto Braga – Especial para a AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade