Internacional

Espanha oferece porto para navio com imigrantes rejeitado pela Itália

COMPARTILHE
12

O governo da Espanha ofereceu ontem o Porto de Algeciras para receber o barco Open Arms, que há dias permanece bloqueado em frente à Ilha de Lampedusa, na Itália, com 107 imigrantes a bordo, que não têm permissão para desembarcar.

Protagonistas de levante, jovens querem maiores mudanças políticas na Bolívia

Alberto Sassín, de 21 anos, aluno do quarto ano do curso de Comunicação Social,...

Após confrontos, Evo condena repressão e pede fim do ‘massacre’

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales condenou na sexta-feira, 15, a repressão a grupos...

Venezuela: Convocados por Guaidó, manifestantes se reúnem em Caracas

Multidões carregando bandeiras e apitos começaram a se reunir neste sábado na capital da...

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, tomou a decisão devido à situação de emergência no barco, após duas semanas de navegação, informou o governo, em nota. “A inconcebível resposta das autoridades italianas, e especificamente do seu ministro do Interior, Matteo Salvini, de fechar todos os portos, assim como as dificuldades expostas por outros países do Mediterrâneo Central, levaram a Espanha a liderar novamente a resposta a uma crise humanitária.”

No entanto, um porta-voz da ONG rejeitou a oferta alegando que a situação é de “emergência humanitária” e, após 17 dias no mar, eles não estão em condições de enfrentar uma jornada tão longa. “Não aceitamos a Espanha. Não podemos pôr em perigo a segurança e a integridade física dos imigrantes e da tripulação. Precisamos desembarcar agora”, insistiu.

Continua depois da publicidade

A situação desesperadora no navio levou quatro imigrantes a se lançaram à água com coletes salva-vidas e tentarem alcançar a ilha a nado, a mais de um quilômetro de distância.

A disputa acontece após o desembarque em Lampedusa, no sábado, de 27 menores desacompanhados que estavam no Open Arms. Salvini aceitou com má vontade o pedido do premiê italiano, Giuseppe Conte.

O plano do governo espanhol era de, que após o desembarque, seis países europeus (França, Alemanha, Portugal, Luxemburgo e Romênia, além da Espanha), recebessem os imigrantes.

O governo escolheu o Porto de Algeciras por considerar que é o mais preparado para a operação. Ali funciona, há um ano, o Centro de Atenção Temporária para Estrangeiros (CATE), com capacidade para atender 600 migrantes, identificando-os antes de encaminhá-los à rede de acolhida.

“Os portos espanhóis não são os mais próximos nem os mais seguros para o Open Arms, mas neste momento a Espanha é o único país disposto a acolher no âmbito de uma solução europeia”, explica o comunicado do governo.

As fontes consultadas por agências internacionais ressaltam que é a primeira vez que um país se nega a permitir o desembarque de imigrantes apesar de contar com o compromisso de que nenhum deles ficará em seu território.

Para analistas, a atitude do governo italiano é um sinal da disputa política entre os líderes do Movimento 5 Estrelas e da ultradireitista Liga, que formam a coalizão que governa o país e se desmanchou nos últimos meses. Amanhã, o Parlamento deve convocar eleições antecipadas no país. ( Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade