Internacional

Gibraltar rejeita pressão dos EUA para segurar petroleiro iraniano

COMPARTILHE
9

Autoridades em Gibraltar rejeitaram o último pedido dos Estados Unidos para não liberar um navio petroleiro iraniano apreendido, abrindo caminho para que a embarcação possa seguir viagem. O navio havia sido detido no mês passado por suposta tentativa de violar as sanções da União Europeia à Síria.

Sem Guaidó, parte da oposição aceita negociar com Maduro na Venezuela

Um grupo de partidos oposicionistas minoritários concordou em iniciar negociações com o governo do...

Trump: não quero guerra com ninguém, mas estamos preparados

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que "não quer guerra com ninguém",...

Evidências mostram que armas do Irã foram usadas em ataque, diz saudita

Porta-voz militar da Arábia Saudita, o coronel Turki al-Malki afirmou nesta segunda-feira que as...

O petroleiro deve partir no domingo à noite, de acordo com um comunicado divulgado no Twitter pelo embaixador do Irã no Reino Unido, Hamid Baeidinejad. Logo após a detenção do petroleiro no início de julho, perto de Gibraltar – território ultramarino britânico – o Irã apreendeu o petroleiro Stena Impero, de bandeira britânica, que continua em poder da República Islâmica. Analistas avaliam que a liberação do navio iraniano por Gibraltar pode fazer com que o Stena Impero seja liberado.

O governo de Gibraltar disse neste domingo que está permitindo a liberação do petroleiro iraniano porque “o regime de sanções da União Europeia contra o Irã – que é aplicável em Gibraltar – é muito mais restrito do que o aplicável nos EUA”. Os EUA haviam entrado com um mandado na Justiça para apreender a embarcação e sua carga de 2,1 milhões de barris de petróleo, citando violações das sanções dos EUA, bem como lavagem de dinheiro e terrorismo.

Continua depois da publicidade

Autoridades dos EUA disseram a repórteres que o petróleo a bordo do navio era destinado a uma organização terrorista. Os documentos judiciais divulgados argumentam que a Guarda Revolucionária Islâmica do Irã é a verdadeira dona do navio por meio de uma rede de empresas de fachada. Autoridades em Gibraltar disseram que, ao contrário dos EUA, a Guarda Revolucionária do Irã não é considerada organização terrorista sob as leis da União Europeia, do Reino Unido ou de Gibraltar.

O navio iraniano foi detido enquanto navegava sob bandeira panamenha com o nome de Grace 1. A partir de domingo, ele foi rebatizado de Adrian Darya 1 e tinha hasteado uma bandeira iraniana. O ministro-chefe de Gibraltar, Fabián Picardo, afirmou ter recebido garantia por escrito do governo iraniano de que o petroleiro não descarregaria na Síria.

Baeidinejad, embaixador do Irã no Reino Unido, disse em uma série de tuítes que “os esforços contínuos para levar a cabo as formalidades portuárias e colocar toda a tripulação no navio” estão ocorrendo desde que Gibraltar suspendeu a detenção da embarcação na quinta-feira. Fonte: Associated Press.

AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade