Economia

IFI: debate de pacto federativo precisa incluir medidas estruturais para Estados

COMPARTILHE
11
Advertisement
Advertisement

A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal defende, numa nova série de estudos disparada nesta quinta-feira, que medidas estruturais para os Estados precisam integrar o debate do pacto federativo no Congresso. No estudo, a IFI alerta que uma maior partilha de recursos não seria, isoladamente, solução para o problema dos Estados e afirma que saídas de curto prazo podem ser buscadas, mas precisam ser acompanhadas da fixação clara de contrapartidas críveis de controle de gastos obrigatório.

Analistas veem ganho para Brasil com acordo entre EUA e China

O crescimento econômico global e o avanço do comércio internacional poderão mais que compensar...

'Trégua interessa tanto a chineses quanto aos EUA', diz pesquisadora da FGV

O anúncio da conclusão de uma "fase 1" do acordo comercial entre Estados Unidos...

Municípios pedem receita do pré-sal para pagar salários

Mais de um quarto das prefeituras brasileiras ainda não tem recursos para pagar a...

No documento ao qual o Estadão/Broadcast teve acesso, a IFI diz ainda que pacto federativo traria muitos benefícios de longo prazo se incorporasse parte de agenda de medidas de longo prazo para garantir a sustentabilidade das finanças estaduais.

O pacto federativo é um conjunto de medidas que o ministro da Economia, Paulo Guedes, prometeu enviar ao Congresso para consolidar o ajuste fiscal com um plano de desindexação e desvinculação das regras orçamentárias. A equipe econômica também quer aproveitar as negociações para fazer mudanças nas regras fiscais do País.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O posicionamento da IFI ocorre no momento em que o debate do pacto federativo no Senado reabriu a discussão para propostas de rediscussão da Lei Kandir (que desonerou o ICMS das exportações), reavivando pleitos antigos a respeito das compensações que se justificariam pelas desonerações das exportações, de avaliar o uso de recursos provenientes do leilão de petróleo dos barris de cessão onerosa do pré-sal e aumento do prazo para pagamento de precatórios judiciais.

Para o diretor executivo da IFI, Felipe Salto, a rediscussão do pacto federativo entrou na agenda do Executivo e do Congresso, mas é preciso ter cautela para que não se resuma a atendimento de pleitos por mais recursos, sem contrapartidas que ajudem a atacar o problema central, que é o crescimento dos gastos com pessoal e Previdência.

“A velha estratégia de renegociar dívidas e deixar as contrapartidas para depois não tem mais como dar certo. É hora de farol alto para que possamos ter uma efetiva reformulação do modelo federativo fiscal brasileiro”, alerta o dirigente da IFI.

Segundo ele, o risco de uma discussão unilateral seria avançar apenas em paliativos. “Agora, o Executivo Federal tem papel central nisso. O modelo federativo brasileiro é muito distinto do americano, por exemplo. Aqui, a federação foi constituída de cima para baixo”, pondera. No nosso caso brasileiro, ressalta, as maiores discrepâncias residem no campo econômico.

Na série, a IFI se posiciona contrária à reedição de planos similares ao que já foi feito, exaustivamente, nas últimas décadas. A avaliação do órgão é de que os temas em discussão no Congresso são relevantes, desde que inseridos em uma discussão mais ampla sobre o quadro fiscal dos governos estaduais e municipais, sobretudo levando-se em conta a necessidade de rever a dinâmica das despesas.

No estudo, a IFI reforça posicionamento do Tesouro Nacional, manifestado em seminário na quarta-feira sobre as finanças dos Estados e municípios, de que a situação é grave e que a distribuição de receitas, quando não combinada com a qualificação da burocracia local e a destinação dos recursos para projetos de investimentos, educação e outras áreas estruturais, tende a ser apropriada em aumento de salários.

No seminário, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, defendeu a fixação de travas para que os recursos repassados aos governos regionais não sejam usados para gastos como aumento de salários.

A IFI destaca também avaliação do seminário de que as receitas disponíveis dos Estados e municípios não estão caindo. As receitas dos municípios apresentaram aumento de 5,7% para 6,6% do PIB, entre 2002 e 2017; Estados passaram de 8,8% para 8,6% do PIB; e União, de 16,8% para 15,9% do PIB. “Não há, necessariamente, um problema de partilha de receitas tributárias. A raiz do problema é o gasto previdenciário e com pessoal ativo”, diz o documento.

Os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) – fixados em termos da Receita Corrente Líquida – estão comprometidos, mas as regras não têm sido suficientes para levar a condutas mais austeras.

A IFI defendeu ainda a criação do Conselho de Gestão Fiscal (CGF), órgão de abrangência federativa com o objetivo de homogeneizar e padronizar as regras fiscais. Outra proposta apresentada é a rediscussão da partilha de receitas “se, e somente se” for debatido o lado das despesas e a possibilidade de estabelecer controles mais evidentes para a evolução do gasto obrigatório. A IFI também quer a revisão das regras previstas na LRF e a criação de controles para a inscrição de restos a pagar, instrumento que vem sendo utilizado como mecanismo de financiamento de parte do déficit público regional.

Para a IFI, a questão federativa tornou-se ainda mais relevante diante das recentes indicações, pelo governo federal, de que se buscará rever o pacto federativo e avançar em reformas que, necessariamente, resvalarão no tema, como é o caso da tributária. Apesar de ainda não haver uma proposta do Executivo, o Secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Junior, indicou que a ideia do pacto federativo passaria por: rediscutir as vinculações, conferindo maior grau de liberdade na gestão orçamentária; debater o desenho do modelo de destinação dos recursos da cessão onerosa, reavaliar os fundos orçamentários; dentre outros pontos. A IFI acha positivo que a criação de um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) federal ou nacional seja acoplada à discussão federativa.

Adriana Fernandes
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Publicidade