Economia

Bolsas da Europa fecham em queda, com guerra comercial ainda pressionando ações

COMPARTILHE
12
Advertisement
Advertisement

Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta quinta-feira, 15, em baixa, reagindo a notícias envolvendo a guerra comercial. A China voltou a dizer que vai retaliar as tarifas adicionais impostas pelos Estados Unidos, apesar de uma porta-voz do governo do país asiático ter dado sinais de que haverá diálogo entre as nações.

Analistas veem ganho para Brasil com acordo entre EUA e China

O crescimento econômico global e o avanço do comércio internacional poderão mais que compensar...

'Trégua interessa tanto a chineses quanto aos EUA', diz pesquisadora da FGV

O anúncio da conclusão de uma "fase 1" do acordo comercial entre Estados Unidos...

Municípios pedem receita do pré-sal para pagar salários

Mais de um quarto das prefeituras brasileiras ainda não tem recursos para pagar a...

O anúncio de que pode haver estímulos monetários na zona do euro conteve pontualmente as perdas na Bolsa de Frankfurt, sem força, contudo, para deixá-la no campo positivo. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,11%, aos 364,30 pontos.

O Ministério das Finanças da China declarou que o governo local deve tomar “contramedidas necessárias” como respostas às tarifas impostas pelo presidente americano, Donald Trump, em 1º de agosto, sobre bens importados do país asiático.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O Escritório do Representante Comercial (USTR, na sigla em inglês) dos EUA chegou a suspender a medida para alguns bens, enquanto prorrogou para dezembro a tarifação sobre outros produtos. Mesmo assim, o comunicado do órgão chinês desta quinta defende que os EUA violaram a trégua firmada entre os líderes das duas nações, no encontro do G-20, ocorrido no final de junho.

Por outro lado, a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, disse esperar que os EUA implementem o consenso firmado no G-20, para que um acordo ocorra mediante “soluções mutuamente aceitáveis”, sinalizando uma postura mais aberta ao diálogo.

A declaração de Chunying, todavia, não foi suficiente para levar as bolsas europeias ao terreno positivo.

Em Londres, o índice FTSE 100 encerrou o pregão em queda de 1,13%, aos 7.067,01 pontos, com os papéis da Anglo American recuando 5,19% e as ações de exportadoras pressionadas pela força da libra.

Na principal economia da região, o índice DAX 30, da Bolsa de Frankfurt, fechou em queda de 0,70%, aos 11.412,67 pontos.

As perdas foram pontualmente contidas durante a manhã, reagindo a declarações do presidente do Banco da Finlândia e membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE), Olli Rehn. Ele afirmou que o BC da zona do euro anunciará um pacote de estímulos monetários na reunião de setembro que deve superar as expectativas dos investidores. Por lá, com o recuo nos juros dos bunds alemães, que renovaram mínimas históricas, as ações Deutsche Bank cederam 2,68%.

Em Paris, o índice CAC 40 perdeu 0,27%, para 5.236,93 pontos, com perdas em importantes montadoras como a Peugeot e a Renault – ambas caíram 1,92%.

O índice Ibex 35, da Bolsa de Madri, fechou em baixa de 0,04%, aos 8.519,00 pontos, movimento também visto no índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, que recuou 0,68%, para 4.718,29 pontos.

Em Milão, os mercados acionários permaneceram fechados em virtude de um feriado local.

Eduardo Gayer
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Publicidade