Economia

Sem impacto de regra IFRS 16, lucro da Natura mais que dobra e salta a R$ 66,6 mi

COMPARTILHE
14

A Natura reportou um lucro líquido contábil, que inclui os efeitos da norma IFRS 16, de R$ 55,9 milhões no segundo trimestre deste ano, desempenho 75,8% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Excluindo os impactos da regra, o lucro foi de R$ 66,6 milhões, 109,4% superior ao reportado no segundo trimestre de 2018.

Petroleiros avaliam propostas de acordo coletivo da direção da Petrobras

Os empregados da Petrobras participam de um processo de consulta promovido pelos sindicatos para...

BB passa a oferecer taxas de acordo com prazo de financiamento imobiliário

O Banco do Brasil anunciou nesta terça-feira novas taxas para financiamento imobiliário, com taxas...

Bradesco diz que pode oferecer crédito imobiliário com IPCA, mas cita riscos

O diretor executivo e de Relações com Investidores do Bradesco, Leandro Miranda, disse que...

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação), uma das linhas que recebeu mais impulso com a implementação do IFRS 16, atingiu R$ 557,5 milhões entre abril e junho, alta de 66,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Desconsiderando os efeitos do IFRS 16, o Ebitda foi de R$ 424,7 milhões, alta de 27%.

A receita líquida consolidada somou R$ 3,403 bilhões no segundo trimestre, alta de 9,8%. Em bases ajustadas, que exclui os efeitos não considerados como recorrentes ou não-comparáveis entre os períodos, a receita cresceu 7,7%.

Continua depois da publicidade

Semestre

Nos primeiros seis meses de 2019, o lucro líquido da Natura chegou a R$ 69,4 milhões, alta de 23,5% em relação ao primeiro semestre do ano passado. Sem IFRS 16, o montante subiu 92,2%, para R$ 108 milhões.

Já o Ebitda saltou 54%, para R$ 1,006 bilhão. No critério sem IFRS 16, a linha subiu 16,6%, para R$ 761,6 milhões.

Flavia Alemi
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade