Economia

Aversão ao risco no exterior cresce e juros futuros fecham em alta

COMPARTILHE
10

A aversão ao risco voltou com tudo sobre os mercados nesta quarta-feira e o segmento de juros, mesmo diante do reforço do viés desinflacionário global, não escapou e fechou com taxas em alta, mais pronunciada nos vencimentos intermediários e longos. Porém, o avanço, na média em torno de 10 pontos-base, das principais taxas mostra que os ativos de renda fixa doméstica foram menos penalizados pela tormenta externa, comparativamente ao câmbio e às ações. Mesmo com o dólar acima de R$ 4, a inclinação da curva foi limitada pela percepção de que o contexto externo pode reforçar o ciclo de afrouxamento monetário no Brasil, enquanto o noticiário positivo em torno das reformas vindo de Brasília também tem funcionado com um filtro.

Ibovespa perde fôlego no fim do pregão, mas fecha em alta com Petrobras

Em meio ao dia positivo em Wall Street e à alta expressiva das ações...

Alcolumbre tenta derrubar investida para alterar projeto da cessão onerosa

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), tenta derrubar as tentativas de alterar o...

Aneel nega pedido de revisão tarifária extraordinária da Energisa Eletroacre

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) negou, por unanimidade, o pedido...

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 subiu de 5,389% ontem no ajuste para 5,46%. A do DI para janeiro de 2023 fechou em 6,47%, de 6,361% no ajuste anterior. E a do janeiro de 2025 encerrou em 6,95%, de 6,871%.

A inversão da curva da T-Note de 2 e 10 anos nos Estados Unidos pela manhã, vista como forte prenúncio de recessão, e dados ruins nas economias da Europa e da China formaram o cenário que castigou ativos de economias emergentes. Ao mesmo tempo, na Argentina, o mercado vai digerindo mal a hipótese, considerada muito provável, da oposição kirchnerista assumir o poder na eleição de outubro, o que afunda o peso argentino e traz alguma contaminação a seus pares, como o real.

Continua depois da publicidade

Para a curva local, contudo, o movimento ascendente das taxas é considerado como uma consequência da recomposição de carteiras que normalmente acontece em dias como esta quarta. “É cada vez mais claro que o ambiente é recessivo lá fora e isso não altera a percepção dos fundamentos aqui. Podemos ter essas variações na curva por ajustes técnicos”, disse o economista-chefe da Guide Investimentos, João Mauricio Rosal. Mesmo a pressão no câmbio, por ora, não compromete as apostas de queda da Selic porque o hiato do produto está num nível de abertura tão grande que é difícil haver espaço para repasse da alta do dólar aos preços.

A percepção de avanço das pautas econômicas do Congresso também ajuda a conter a inclinação da curva, na medida em que traz melhora na perspectiva para a área fiscal. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, reiterou que “o cronograma da reforma da Previdência está bem encaminhado” para aprovação da proposta no começo de outubro, enquanto a Câmara na terça aprovou o texto-base da MP da Liberdade Econômica e nesta quarta deve votar os destaques.

Denise Abarca
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade