Política Regional

PSB abre processo e deputado Felipe Rigoni pode até ser expulso da sigla por votar a favor da Previdência

COMPARTILHE
136
Advertisement
Advertisement

O Conselho de Ética do PSB abriu, ontem, processo contra 11 deputados, entre eles o capixaba Felipe Rigoni, que votaram a favor da reforma da Previdência, contrariando orientação do diretório nacional do partido. Os deputados terão dez dias para apresentar defesa.

Fayda Belo articula com cúpula progressista, alianças para sua pré-candidatura à prefeitura de Cachoeiro

A advogada Fayda Belo, presidente do Partido Progressistas (PP) e pré-candidata a prefeita de...

Presidente Kennedy: após oito meses na prisão, Justiça autoriza soltura de José Augusto

Após oito meses preso no Centro de Detenção Provisória de Viana II, a Justiça...

Luciano Machado reafirma que não será candidato a prefeito de Guaçuí em 2020

O deputado estadual Luciano Machado (PV) reafirmou, nesta quinta-feira (2), que não será candidato...

O processo será levado posteriormente à direção da legenda, que poderá punir os divergentes com advertência, suspensão e até expulsão, com base em recomendações do conselho de ética.

“Fizemos uma reunião para avaliar a pertinência da representação. A votação divergente da orientação do partido dá fundamento para recebê-la, instruir o processo e depois repassa-lo ao Diretório Nacional para a decisão final”, disse o presidente do conselho de ética da sigla, Alexandre Navarro.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Representantes de segmentos sociais do PSB pediram na semana passada censura pública, cancelamento de filiação, expulsão dos deputados, além da devolução dos recursos públicos destinados pelo partido à campanha deles.

O PSB foi o partido de esquerda com mais votos a favor da reforma – 11 em 32 votos. O PDT, com 8 votos sim, também ameaça punir os deputados que foram contra orientação da bancada. Eles já são sondados por partidos de centro.

Os alvos de processo no PSB são: Átila Lira (PI), Emidinho Madeira (MG), Felipe Carreras (PE), Felipe Rigoni (ES), Jefferson Campos (SP), Liziane Bayer (RS), Luiz Flávio Gomes (SP), Rodrigo Agostinho (SP), Rodrigo Coelho (SC), Rosana Valle (SP) e Ted Conti (ES).

A abertura de processo não é inédita. Em 2017, a direção do PSB puniu parlamentares que votaram para barrar as investigações contra o então presidente Michel Temer (MDB), também em desrespeito à decisão do partido.

Advertisement

Advertisement
Publicidade