Espírito Santo

Médico terá que indenizar paciente por cirurgia plástica mal sucedida em Marechal Floriano

COMPARTILHE
1058

Um cirurgião plástico de Vitória foi condenado a pagar R$26 mil em indenizações a uma paciente que ficou com deformidades permanentes, após passar por um procedimento facial. A decisão é da Vara Única de Marechal Floriano.

ES terá mais Escolas em Tempo Integral e Ensino Integral integrado ao Técnico em 2020

A partir do ano letivo de 2020, o Governo do Estado, por meio da...

TRE-ES elege nova mesa diretora para biênio 2020/2021

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES) elegeu na tarde desta...

Decreto torna obrigatória a instalação de energia solar em novas edificações do Executivo estadual

O governador do Estado, Renato Casagrande, assinou, nesta segunda-feira (14), o decreto que institui...

De acordo com a autora da ação, ela teria procurado o médico com intuito de realizar um procedimento estético para o levantamento de pálpebras e eliminação de bolsas de gordura, existentes na região dos olhos. Após a cirurgia, no entanto, ela notou que houve uma diferença na abertura das pálpebras, o que fez com que seus olhos aparentassem ter tamanhos desiguais.

Com intuito de corrigir os danos estéticos, a paciente narra que pagou por novos procedimentos cirúrgicos, que também foram insatisfatórios e lhe causaram deformidades permanentes. Em virtude do ocorrido, a autora requereu na Justiça o pagamento de indenização material no valor de R$500 mil e compensação por danos morais no valor de R$100 mil.

Continua depois da publicidade

Em análise do caso, o juiz destacou que o Código Civil prevê a indenização para quem, por negligência, imprudência ou imperícia cause danos a outro, no exercício da sua atividade profissional.

“Considerando que a requerente fora submetida a dois procedimentos estéticos com o réu, sem sucesso para alcance do resultado pretendido e a um terceiro procedimento, com outro profissional que resultou em uma melhora substancial de seu quadro, verifica-se reconhecimento cristalino da sua imprudência e imperícia no caso concreto”, afirmou o magistrado.

Desta forma, o juiz considerou que o ocorrido configura como ato ilícito e, portanto, condenou o réu ao pagamento de R$11 mil em compensação por danos morais e mais R$15 mil em indenizações por danos materiais.

Publicidade