Cidades

Família de mulher atropelada por carro do SAAE vai ser indenizada em R$ 350 mil em Piúma

COMPARTILHE
2065
Advertisement
Advertisement

A juíza de direito da 1ª Vara de Piúma condenou uma prestadora de serviço de água e esgoto da cidade a indenizar, em R$ 350 mil, três pessoas da mesma família que perderam a mãe/avó em um acidente, que teria sido provocado pelo motorista da empresa de saneamento básico que, trafegando em alta velocidade, teria ultrapassado em local proibido, vindo a atingir a familiar dos autores da ação.

Após servidor confirmado com Covid-19, secretarias de Meio Ambiente e Agricultura são desinfectadas em Cachoeiro

Após a confirmação de que um servidor da Secretaria de Meio Ambiente de Cachoeiro...

Cachoeiro: veja quais são os bairros contemplados para a 3ª etapa do inquérito sorológico

A terceira etapa do inquérito sorológico, que visa estimar o grau de propagação do...

Aventais levam solidariedade e colorido para profissionais da Santa Casa de Cachoeiro

As enfermarias e a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) que atendem pacientes com o...

De acordo com os autos, a vítima estava em companhia de sua filha (2ª autora da ação) e do neto (3º autor, representado pela mãe, 1ª autora da ação) no ponto de ônibus, aguardando o transporte que levaria a criança até a escola, quando foi atropelada e arremessada contra um muro, o que causou a sua morte instantânea. Segundo o depoimento de uma testemunha, que presenciou o acidente, a filha da vítima e o sobrinho, neto da vítima, estavam aguardando do outro lado da rua, na sombra, porque estava muito sol no ponto de ônibus.

De acordo com a sentença, ficou comprovado que o veículo da requerida realizou ultrapassagem em local proibido, e em alta velocidade, vindo a colidir com outro veículo e, posteriormente, atingido a vítima que aguardava no ponto de ônibus.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Segundo a juíza, a morte de um ente querido enseja a indenização por dano moral, pois tal fato produz grande desconforto, angústia, temor e constrangimento, atingindo a dignidade da pessoa e lesionando sua honra.

“Não há dúvidas que a trágica morte de um parente próximo deve ser considerado como ofensivo a direitos da personalidade e dá azo à indenização pela via dos danos morais, ainda mais, no caso dos autores que presenciaram todo o acidente que vitimou a Sra. Rosane Coelho Roman”, destacou a magistrada, condenando a empresa a pagar a indenização de R$ 350 mil, valor que deverá ser dividido de forma igualitária para os três autores.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.