Cidades

Educação patrimonial: projeto atendeu mais de 600 estudantes no primeiro semestre em Cachoeiro

COMPARTILHE
27

No primeiro semestre deste ano, o projeto de educação patrimonial “Doce terra onde eu nasci”, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Semcult), levou 668 estudantes a espaços culturais e históricos de Cachoeiro de Itapemirim.

Sine Cachoeiro oferta 12 vagas de emprego nesta segunda (26)

O Sine Cachoeiro está com 12 vagas de emprego nesta segunda-feira (26). A Agência...

Delícias do Giro Gastronômico podem ser provadas a partir de segunda (26)

Em Cachoeiro, os apreciadores da boa comida têm compromisso marcado nos restaurantes participantes do...

Secretaria de Saúde orienta profissionais da Stone Fair sobre Sarampo

Além de intensificar a vacinação contra o sarampo, Cachoeiro realizará duas ações com foco...

Desse total, mais da metade – 371 alunos – corresponde ao mês de junho, ao qual se somam, também, as participações da Cachoeirense Ausente Nº 1 de 2019, Neuza Brunoro (acompanhada de amigos e autoridades), e de um grupo de aproximadamente 17 empreendedores rurais da região turística dos Vales e do Café.

Os passeios, neste ano, tiveram início em março. De lá até o mês passado, participaram estudantes das escolas estaduais Liceu Muniz Freire, Attila de Almeida Miranda (CEI), Agostinho Simonato, Bernardino Monteiro e Fraternidade e Luz e, também, do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes – Campus Cachoeiro). De outros municípios, foram atendidas as escolas Itaputanga, de Piúma, e Monhsenhor Tomasi, de Mimoso do Sul.

Continua depois da publicidade

O city tour guiado contempla os principais pontos de visitação cultural de Cachoeiro, como o Museu Ferroviário Domingos Lage (antiga estação), a estátua de Roberto Carlos (esculpida pela artista Angella Borelli), a Casa de Cultura Roberto Carlos, a Ponte de Ferro, a igreja Nosso Senhor dos Passos (Matriz Velha), o Museu de Ciência e Tecnologia, a Casa dos Braga, a praça Jerônimo Monteiro, o Palácio Bernardino Monteiro (sede da prefeitura), a Sala Levino Fanzeres e o Arquivo Público Municipal de Cultura (Sala Evandro Moreira).

“Foi uma feliz coincidência o projeto ‘Doce terra’ estar em atividade ao mesmo tempo que o nosso, o ‘Revelando a Capital Secreta’, que se resultou nas obras de arte expostas, atualmente, na Sala Levino Fanzeres. É muito gratificante, para nós, trabalhar com propostas que motivem nossos alunos a conhecer Cachoeiro e valorizar seus espaços históricos. Para eles, foi uma descoberta incrível”, destaca a gestora do Liceu, Monica Borges de Melo.

“O ‘Doce terra’ é a principal ferramenta de Educação Patrimonial do departamento de Turismo da Semcult. Acreditamos muito no desenvolvimento do sentimento de pertença através da descoberta de nossas riquezas e valores patrimoniais; e vemos o projeto como instrumento de conscientização das futuras gerações para o progresso e crescimento de Cachoeiro em todos os seus aspectos”, avalia a secretária municipal de Cultura e Turismo, Fernanda Martins.

 

O projeto

Lançada em setembro de 2018, a iniciativa é permanente e conta com o apoio da Secretaria Municipal de Educação (Seme) e da Superintendência Regional de Educação.

Para saber mais sobre o projeto e agendar visitação, procure o Centro de Informação ao Turista (CIT) de Cachoeiro (rua Coronel Francisco Braga, antiga estação ferroviária). O CIT funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e o telefone de contato é o (28) 3155-5342.

Publicidade