Espírito Santo

Deputado estadual quer o fim da vistoria para carro movido a gás no ES

COMPARTILHE
250
Advertisement
Advertisement

Com o intuito de reduzir a demanda de atendimento dos postos de vistoria do Departamento de Trânsito (Detran) e viabilizar o licenciamento anual de veículos automotores que funcionam pelo Sistema de Gás Natural Veicular (GNV), tramita na Assembleia Legislativa o Projeto de Lei (PL) 353/2019 de autoria do deputado Capitão Assumção (PSL), que dispensa esses veículos da inspeção anual realizada pelo órgão estadual.

Qualificar ES abre 10 mil vagas em cursos on-line nesta terça-feira (28)

Mais chances de qualificação! O Programa Qualificar ES abre a terceira etapa de inscrições...

Mais chuvas: previsão para fevereiro no Sudeste é preocupante

O que nós tivemos nos últimos dias foi a formação de um sistema meteorológico...

Sicoob disponibiliza R$ 20 milhões para pessoas prejudicadas pelas chuvas no Sul do ES

Os associados ao Sicoob dos municípios da região Sul do Estado que foram afetados...

A matéria de Assumção baseia-se no fato que a vistoria já é realizada pelas empresas da Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro (Cgcre).

“A proposição gerará benefícios para os proprietários de veículos que não utilizam GNV como combustível, uma vez que diminuirá significativamente a demanda de atendimento dos postos de vistoria do Detran, o qual sofre notoriamente com a indisponibilidade de agendamento”, defende o parlamentar.

Advertisement
Continua depois da publicidade

No entanto, só estariam dispensados da vistoria anual os veículos que estiverem aprovados na inspeção de segurança, efetuada pelas empresas da coordenação e que possuírem o novo Certificado de Segurança Veicular (CSV).

O projeto ainda determina que os automóveis devem estar identificados com o selo de conformidade do Inmetro para GNV e com o CSV. Além disso, a matéria estabelece que as taxas estaduais anuais que valem para todas as modalidades de carros permaneçam obrigatórias.

 

Advertisement

Tramitação

A matéria foi lida em plenário e devolvida ao autor por estar em desacordo com a Constituição Estadual, segundo posicionamento da Presidência da Casa. O deputado recorreu da decisão e a matéria seguiu para análise da Comissão de Justiça.

Advertisement
Publicidade