Cidades

Carro de Boi: Justiça Estadual declara incompetência no processo que resultou na prisão de 11 pessoas em Guaçuí

COMPARTILHE
3894

Conforme divulgado em primeiro mão, no último dia 10, pelo AQUINOTICIAS.COM, o caso da operação “Carro de Boi”, que apura esquema de desvio de dinheiro na Santa Casa de Guaçuí, deve ser apreciado pela Justiça Federal. Nesta quarta-feira (17), o juiz da 2ª Vara da Comarca de Guaçuí, Bruno Fritoli Almeida, declarou incompetência da Justiça Estadual para atuar na ação.

Paciente morre após ter pulmão perfurado durante cirurgia em Guaçuí e família será indenizada

A família de um paciente que morreu após sofrer uma perfuração em um de...

Vereadora de Cachoeiro participa da VIII Conferência Nacional de Lideranças Políticas em SP

Nesta sexta-feira (23), será realizada a VIII Conferência Nacional de Lideranças Políticas Femininas, promovida...

Carne suína será inserida no cardápio das escolas de Anchieta

A Secretaria de Educação de Anchieta (Seme) vem investindo na qualidade e na diversificação...

Os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) opinaram reconhecendo a incompetência da Justiça Estadual na atuação no caso da operação “Carro de Boi”, que levou à prisão, em maio deste ano, 11 pessoas, entre elas provedores, ex-provedores, médicos e empresários.

No processo Nº 0002486-69.2018.8.08.0020, a defesa de Daniel Sabatini Teodoro, Denis Vaz, Helio José de Campos Ferraz Filho e José Areal Prado Filho alegou a ausência de competência da Justiça Estadual na matéria, apontando que a questão deveria ser submetida à apreciação da Justiça Federal, já que a investigação é referentes a recursos oriundos do Governo Federal. “Pontuando que não pode haver cisão no conhecimento e julgamento das questões”, diz trecho dos autos.

Continua depois da publicidade

Com a decisão do magistrado da Comarca de Guaçuí, caberá à Justiça Federal analisar se o processo compete realmente a ela e se os presos na operação poderão responder ao processo em liberdade.  O caso segue em segredo de justiça.

Publicidade