Geral

Correção: Criminosos fazem motorista refém e incendeiam ônibus em Poá

COMPARTILHE
17
Advertisement
Advertisement

A matéria informava erroneamente que a Lei nº 13.855 havia sido aprovada no município. A lei, na verdade, é federal. Segue texto corrigido.

Fortes chuvas e deslizamentos deixam ao menos 30 mortos em Minas Gerais

Subiu para 30 o número de mortos em decorrência das fortes chuvas que atingem...

Cortejo toma ruas do centro para comemorar os 466 anos de São Paulo

Enquanto as primeiras pessoas se concentravam em torno de um trio elétrico, que exibia...

Paraguai extradita brasileiro acusado de liderar contrabando de cigarro

As autoridades paraguaias entregaram na noite desta sexta-feira (24) o brasileiro Luiz Henrique Boscatto,...

Cinco homens renderam o motorista de um ônibus do transporte coletivo e puseram fogo no veículo, na madrugada desta segunda-feira, 22, em Poá, região metropolitana de São Paulo.

O motorista Célio Benedito dos Santos teve o corpo embebido com gasolina, mas conseguiu escapar. Os criminosos disseram que pretendiam “vingar” a morte de um suspeito, baleado pela polícia na noite de domingo, no Jardim Débora. Após o ataque, a empresa Radial Transporte Coletivo recolheu parte da frota.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O motorista contou à polícia que parou para pegar um suposto passageiro e, quando abriu a porta, o ônibus foi invadido por outras quatro pessoas armadas. Eles o renderam e obrigaram que levasse o veículo até a rua Estado do Espírito Santo, onde usaram galões com combustível para atear fogo ao coletivo. Antes, tiraram o motorista do ônibus e espalharam gasolina e etanol em seu corpo. O condutor aproveitou um descuido dos suspeitos para fugir. As chamas consumiram totalmente o veículo.

Conforme a Polícia Civil, o ataque pode ter sido ordenado pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), que tentaria controlar o transporte clandestino na cidade, mas ainda é necessário avançar nas investigações. À polícia, a empresa informou que vinha recebendo ameaças, por isso retirou vários ônibus de circulação – uma das linhas foi totalmente paralisada.

A direção da Radial informou que está em contato com Polícia Militar para retomar o transporte e repudia os estímulos à violência e ação do crime organizado, que participa do transporte clandestino. “As ameaças contra a empresa se agravaram após ser aprovada a Lei n.o 13.855, que criminaliza o transporte clandestino de passageiros”, informou em nota.

José Maria Tomazela
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Publicidade