Economia

Dólar vai a R$ 3,74 com perspectiva de corte menor de juros pelo Fed

COMPARTILHE
13

Em uma semana marcada por baixo volume de negócios e agenda local fraca, o dólar acumulou alta de 0,20% e fechou a sexta-feira, 20, em R$ 3,7458. Na sessão de hoje, a moeda americana acabou corrigindo o movimento de ontem, quando caiu para o menor nível em cinco meses. No exterior, o dólar subiu ante divisas fortes e de países desenvolvidos, com o aumento da aposta de Wall Street de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) vai cortar os juros em 0,25 ponto porcentual e não em 0,50 ponto, como ocorreu ontem.

Reforma administrativa pode demorar um pouco, diz Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse neste domingo, 17, que a reforma administrativa...

Gustavo Werneck, da Gerdau: Choque digital como questão de sobrevivência

Como uma empresa da chamada "economia real" lida com as mudanças de um mundo...

Custo de um filho em São Paulo pode variar 104 vezes, dependendo do bairro

Giuliana Pierri e Luciene Bertolazi estão separadas por apenas 22 quilômetros. Mas não poderiam...

No mês, o dólar recua 2,46% e o real é uma das divisas que mais ganha valor perante a moeda americana. Apesar da alta desta semana, estrategistas de moedas ainda veem potencial de valorização do real pela frente, sobretudo quando o Congresso voltar do recesso e a reforma da Previdência avançar como o esperado.

“Ainda estamos otimistas com o real no curto prazo”, destaca o estrategista de moedas em Nova York do BBVA, Alejandro Cuadrado. Para ele, o texto da Previdência pode sofrer desidratação nos próximos passos no Congresso, mas a economia fiscal deve ficar forte. Outra fonte de otimismo é que o avanço da Previdência abre espaço para sair mais medidas da agenda econômica, como de estímulo da atividade e privatizações, ressalta ele. O BBVA projeta o dólar em R$ 3,72 em setembro.

Continua depois da publicidade

Os estrategistas de moedas do Bank of America Merrill Lynch afirmaram nesta sexta-feira estar “construtivos” no real e veem a moeda a R$ 3,70 no final do ano. “A moeda deve continuar se fortalecendo na medida em que a agenda de reforma do governo avança”, ressaltam, destacando que a reforma da Previdência já está “amplamente precificada”. Por isso, para fortalecimento adicional do real, será preciso o avanço em outras reformas. “As posições em real são ‘lights’, especialmente entre investidores não residentes. Então há espaço para aumento da exposição na moeda brasileira.”

No exterior, o DXY, índice que mede o comportamento do dólar ante divisas fortes, subia 0,36%. Ontem, o índice teve queda forte e testou os níveis mínimos do mês após o presidente da regional de Nova York do Fed, John Williams, pedir agressividade na política monetária. Na noite de ontem, o Fed esclareceu que Williams falou em um contexto acadêmico. Além disso, reportagem do The Wall Street Journal hoje mostrou que a maioria dos dirigentes do BC americano defende um corte de 0,25 ponto nos juros. Entre emergentes, o dólar subia 0,59% na África do Sul, 0,44% no México e 0,33% na Rússia.

Altamiro Silva Junior
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade