Economia

Ibovespa realiza lucros com ajuda de NY e cai 1,21%

COMPARTILHE
9

Os ajustes nos ativos americanos, em meio às discussões sobre a política monetária dos Estados Unidos, potencializaram o movimento de realização de lucros na B3 e o Índice Bovespa teve queda firme nesta sexta-feira, 19, voltando a oscilar abaixo do patamar dos 104 mil pontos. Por aqui, a agenda esvaziada manteve os investidores na expectativa pelo anúncio de medidas de estímulo à economia, enquanto aguardam a retomada da tramitação da reforma da Previdência. O resultado do dia foi uma queda de 1,21% do Ibovespa, que fechou aos 103.451,93 pontos, próximo da mínima do dia.

G-7: EUA e Japão fecham acordo; Japão vai comprar excedente de milho americano

O presidente americano, Donald Trump, disse que os Estados Unidos e o Japão chegaram...

Arrecadação mostra sinais de recuperação gradual da economia

Mesmo com a desaceleração da economia nos últimos meses, a arrecadação federal indica que...

Mesmo com diploma, trabalhador aceita vaga menos qualificada

A publicitária abriu uma creche para cães, a assistente social voltou a ser cabeleireira...

A queda foi generalizada entre as blue chips, mas se destacou entre as ações do setor financeiro, onde as perdas superaram 2% na maioria dos papéis. Grupo de maior peso na composição do Ibovespa, as ações dos bancos contaram ainda com alguma influência de notícia de que o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci teria dito à Polícia Federal que bancos fizeram repasses de R$ 50 milhões ao PT em troca de favores nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Roussef. Os bancos citados negaram irregularidades nas doações.

“O principal fator do dia foram as discussões sobre política monetária dos Estados Unidos, com os mercados reagindo aos sinais emitidos pelos dirigentes do Fed. Hoje o mercado brasileiro aproveitou um pouco o sinal negativo das Bolsas em Nova York para realizar lucros acumulados desde maio. Desde aquele mês, houve poucos momentos de respiro na trajetória de alta do Ibovespa”, disse Felipe Silveira, analista da Coinvalores.

Continua depois da publicidade

Lá fora, o principal movimento foi de correção dos efeitos causados pela fala “dovish” de ontem do presidente da distrital do Fed de Nova York, John Williams, que teria acenado com um corte de 0,5 ponto porcentual nas taxas básicas dos EUA. Além do “desmentido” do Fed, que afirmou que a fala de Williams foi “acadêmica”, hoje outros dois dirigentes com voto nas reuniões do BC americano fizeram discursos mais compatíveis com uma elevação de 0,25 ponto nas taxas dos fed funds. Em Wall Street, todos os principais índices fecharam em baixa, devolvendo os ganhos da véspera, obtidos sob efeito das declarações de Williams.

Mesmo com a queda de hoje, o Ibovespa acumula alta de 2,46% em julho. No ano, o ganho chega a 17,71%. Ainda assim, as retiradas de recursos externos da Bolsa continuam. Na última quarta-feira, 17, os investidores estrangeiros retiraram R$ 182,114 milhões da B3, levando o acumulado de julho a um saldo líquido negativo de R$ 1,888 bilhão.

Na análise por ações, destaque para Itaú Unibanco PN (-2,60%), Bradesco PN (-2,26%) e units do Santander (-2,59%).

Paula Dias
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade