Esporte Nacional

'Patinho bonito' de Jorge Jesus, Arão elogia técnico do Fla: 'Traz coisas novas'

COMPARTILHE
11
Advertisement
Advertisement

Criticado por boa parte da torcida do Flamengo, o volante Willian Arão tem tentado mostrar muita garra e disposição em campo e isso parece dar certo com os treinadores do time. Foi assim com Abel Braga, que deixou o comando em maio, e agora com o português Jorge Jesus, que o defendeu no último domingo dizendo que é o “patinho bonito” para rebater o fato de ser o “patinho feio” para muitos rubro-negros.

Honda admite negociação com Botafogo, mas nega acerto: 'Ainda não me decidi'

Objeto de desejo do Botafogo para a temporada 2020, o japonês Keisuke Honda, de...

Fernandinho renova contrato com o Manchester City até 2021

Fernandinho permanecerá por mais algum tempo no elenco do Manchester City. Nesta terça-feira, o...

Justiça autoriza reabertura do Parque Olímpico da Barra

Interditado desde o dia 15 por determinação judicial, o Parque Olímpico da Barra foi...

O termo “patinho bonito” pegou o jogador de surpresa, mas Willian Arão disse não se importar com isso e fez elogios ao comandante em entrevista coletiva nesta terça-feira, antes do treino fechado do time no CT do Ninho do Urubu, que encerrou a preparação para a partida contra o Athletico-PR, nesta quarta, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, pela rodada de volta das quartas de final da Copa do Brasil.

“Eu não sabia disso (risos). Fui almoçar e um amigo comentou. Não penso dessa forma. Ele tem pegado no meu pé, mas fala coisas boas também. Ele cobra a todos e eu tento assimilar. Ele pega forte com todo mundo, mas talvez tenha ficado mais evidente comigo. Ele traz coisas novas, um modo de ver diferente. Nós tentamos nos adaptar da melhor maneira possível. Ele fala bastante comigo”, afirmou.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Com Jorge Jesus, Willian Arão foi recuado para uma função mais defensiva e agora tem a concorrência com o colombiano Cuéllar. “Não é novidade para mim. Joguei a carreira toda assim, comecei assim. Novidade são alguns movimentos. Nós temos um entendimento diferente. Tentamos executar o que ele quer para nos ajustarmos como equipe”, explicou.

“Pressão (de substituir Cuéllar) que eu tenho é de fazer o meu melhor a cada jogo, fazer o que o time espera. Tento fazer o meu. Sou humano. Nem sempre vou jogar bem, cumprir todas as funções, como todo mundo. Se eu estou jogando, teoricamente o lugar é meu”, completou.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Publicidade