Geral

Chaminé de gás caiu um mês antes da morte de família em Santo André

COMPARTILHE
19

Um mês antes da morte de quatro pessoas da mesma família em Santo André, na Grande São Paulo, intoxicados por monóxido de carbono, parte da chaminé do exaustor a gás do apartamento caiu. A informação é do síndico Edson Ferrari.

PF vai investigar grupo que teria planejado atear fogo em floresta

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou hoje (25), em uma...

Uso de celular com cabeça inclinada pode causar lesão na cervical

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que pelo menos 37% da população brasileira,...

A pedido de Bolsonaro, PF vai investigar incêndios criminosos no Pará

A pedido do presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio...

O problema teria deixado o equipamento sem o escapamento adequado para o gás que, com as janelas fechadas, matou Enzo, Bárbara, Kátia e Roberto Utima na noite de sexta-feira, 12. Quando a peça caiu, segundo Ferrari, Roberto procurou o zelador do prédio e, com uma escada, eles encontraram o pedaço de chaminé na laje do prédio. O relato coincide com a data em que a família teve crises de vômito e tontura, há cerca de um mês. Eles foram diagnosticados com sinusite e desidratação, mas a polícia vê relação do episódio com as intoxicações.

“Um mês atrás, parte da chaminé dele (Roberto) caiu, veio abaixo”, contou o síndico. Ferrari acredita que o proprietário tenha deixado para consertar o equipamento após a viagem à Disneylândia que faria com a família. “Quando voltou, acho que nem lembrou disso, não abriu a janela. E aconteceu.”

Continua depois da publicidade

Ferrari também contou que o prédio instalou o sistema de aquecimento a gás natural há cerca de dez anos. Na ocasião, Roberto teria informado que já tinha um sistema de aquecimento movido a gás liquefeito de petróleo (GLP), instalado por conta própria. O proprietário foi advertido na ocasião que deveria instalar uma chaminé – o que, segundo o síndico, foi feito na época pela Comgás.

O condomínio deve contratar uma empresa para vistoriar os equipamentos de todos os apartamentos no prédio. Ainda não há data para que isso ocorra. A medida foi tomada após orientação da Polícia Civil.

A família foi velada e enterrada nesta segunda-feira, 15, em Mauá, cidade do ABC paulista. Segundo a polícia, informações preliminares do laudo médico confirmam o monóxido de carbono como causa das mortes.

Alerta

O presidente da Associação Brasileira de Aquecimento a Gás (Abagás), Leonardo Abreu, ressalta que a instalação de qualquer aparelho deve cumprir uma norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a NBR-13.103. “Em um ambiente interno, como uma residência, todos os aparelhos necessitam de duto de exaustão (chaminé)”, explica Abreu. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tulio Kruse, com colaboração de Felipe Cordeiro
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade