Política Nacional

Maia: Queremos que Bolsonaro entenda que Legislativo tem papel relevante

COMPARTILHE
15

Em mais um recado direto ao presidente da República, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou na tarde desta quinta-feira, 11, que deseja um “bom diálogo” com Jair Bolsonaro. “Queremos que o presidente entenda que o Legislativo tem um papel relevante”, afirmou, em entrevista à TV Bandeirantes.

Decreto amplia 'ficha limpa' para o executivo

O presidente Jair Bolsonaro editou ontem um decreto para ampliar as regras exigidas para...

À Globonews, Haddad diz que não vai ser candidato a prefeito de São Paulo em 2020

Segundo colocado na disputa presidencial do ano passado, Fernando Haddad (PT) disse em entrevista...

Procuradoria denuncia 12 por corrupção em operações com recursos do Postalis

Os procuradores da força-tarefa Greenfield denunciaram 12 investigados por corrupção ativa e passiva, falsidade...

De acordo com Maia, ataques feitos contra a Câmara, o Senado e o Supremo Tribunal Federal (STF), como os ocorridos no primeiro semestre do ano, geram instabilidade e não contribuem para a discussão de matérias importantes para o País, como a reforma da Previdência. “Direito de criticar, de vetar, é direito do presidente”, lembrou Maia. “O parlamento tem também a prerrogativa de sancionar ou derrubar o veto”, acrescentou. No entanto, segundo ele, os ataques a estas instituições são prejudiciais.

“Quem organiza a relação com o Legislativo é o poder executivo. Nós temos aqui no Legislativo a obrigação de construir consensos”, comentou Maia. Ele lembrou ainda que, além da Câmara, o Supremo tem sido atacado. “Isso é ruim”, disse. “Os radicais nas redes sociais vão continuar a ser radicais, mas há outro ambiente para ampliar o debate”, defendeu.

Continua depois da publicidade

Maia também foi questionado sobre sua relação com Bolsonaro. “Fui eleito presidente da Câmara, tive outras vitórias importantes, e ele nunca tinha me ligado”, pontuou. “Acho que o presidente não gosta de mim. Mas ontem ele me ligou. Então, agradeço ao presidente. Acho que é importante a ligação, o agradecimento, para mim, em nome dos 379 deputados que votaram pela reforma.”

Questionado sobre se Bolsonaro não ia com sua cara, Maia respondeu: “Ele vai com minha cara, sim. Ele é carioca, como eu. Sempre estivemos uma boa relação aqui no plenário, (ele) sempre foi uma pessoa muito alegre, contador de piadas”. Maia disse ainda que ele e Bolsonaro possuem posições diferentes em alguns temas, o que faz parte da democracia. “Naquilo que é mais importante para o Brasil, que é a agenda de reformas, estamos no mesmo lado. É isso que interessa”, acrescentou.

Estado mais eficiente

O presidente da Câmara defendeu ainda que o Estado seja mais eficiente, para melhorar a vida do brasileiro comum. Além disso, afirmou que o parlamento está pronto para “enfrentar todas as agendas para melhorar o Estado brasileiro”.

Ao tratar da aprovação do texto base da reforma na noite de ontem, em votação de primeiro turno, Maia afirmou que o resultado surpreendeu. “Foi uma votação histórica. Demos ontem uma demonstração de responsabilidade e prioridade na pauta”, afirmou.

Disputa por orçamento federal

Na entrevista à TV Bandeirantes, Maia afirmou ainda que a disputa pelo orçamento federal vem de todas as partes – de deputados, prefeitos e governadores – e que isso faz parte do processo democrático.

“É legítimo que prefeitos e governadores estejam aqui (em Brasília) lutando por recursos”, comentou Maia, ao ser questionado se era possível haver aprovação de matéria importante para o País, como a reforma da Previdência, sem o tradicional “toma-lá, dá-cá” da política. “Também é legítimo que deputados lutem por verbas para suas bases”, acrescentou Maia.

Apenas ontem, o governo liberou cerca de R$ 480 milhões em emendas parlamentares na área de saúde. Os valores se somaram aos R$ 1,135 bilhão que foram liberados na segunda-feira.

Com isso, subiu para R$ 1,613 bilhão o montante autorizado pelo governo para gastos de saúde com recursos de emendas parlamentares desde o início desta semana, em meio aos esforços do governo para garantir a aprovação da reforma na Câmara.

Durante a entrevista, Maia também avaliou que a “nova fórmula de governar sem coalização é boa para a democracia”. Segundo ele, nos últimos 30 anos muitas vezes o Legislativo transferiu responsabilidades para o governo, por causa da coalização.

Fabrício de Castro
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade