Política Regional

Prefeitura de Itapemirim pretende gastar até R$ 711 mil com locação de telão

COMPARTILHE
638

Com uma população de mais de 34 mil moradores, a cidade de Itapemirim quase se equipara com Cachoeiro de Itapemirim, cuja população ultrapassa 210 mil habitantes, o em receita. O município litorâneo está entre os que possuem o chamado “caixa gordo”.

Após denúncias de direcionamento de verba para empresas, Assembleia Legislativa quer ouvir prefeito de Itapemirim

A Comissão de Cidadania da Assembleia Legislativa deve convidar o prefeito Thiago Peçanha para...

TCE vai realizar encontro de capacitação para prefeitos, secretários e vereadores em Alegre

O Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE) vai iniciar na próxima segunda-feira, dia...

Kennedy: TCE rejeita recurso e determina que Reginaldo Quinta devolva R$ 293 mil aos cofres públicos

O Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE) rejeitou recurso do ex-prefeito de Presidente...

A previsão de arrecadação de Itapemirim em 2019 chega a R$ 404 milhões. Talvez, com tantos recursos, a locação de telões não seja um fator preocupante por não ter tanto impacto em seu orçamento.

No mês de abril foi concluída a licitação 09/2019, por meio de pregão presencial, com objetivo de Contratar empresa especializada em serviço de locação de montagem, instalação, operação e desmontagem de equipamentos para transmissão ao vivo (painel de Led).

Continua depois da publicidade

Três empresas participaram do certame e venceu a Tella Video Ltda, que apresentou a menor proposta no valor de R$ 711.735,00.

Em nota, a Prefeitura informou que a finalidade dos equipamentos é para melhor atendimento e infraestrutura dos eventos realizados pelo município, ressaltando que a licitação se trata de adesão a uma Ata de Registro de Preço e que “não obrigatoriamente compõe o gasto integral do valor reservado, uma vez que ele pode ser gasto ou não, de acordo com a necessidade”.

“Reitera, também, que a Ata de Registro de Preço está de acordo com o Termo de Ajustamento e Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), o qual estabelece que o limite de gastos para a realização de eventos culturais para os próximos dois anos deverá ser de 1,7% do orçamento geral do município. O período de apuração dos gastos será de 1ª de janeiro a 31 de dezembro de cada ano”, disse a Prefeitura, em nota.

 

Publicidade