Cachoeiro de Itapemirim

Faltam dois dias para a Olimpíada do Dia Nacional da Cardiopatia Congênita

COMPARTILHE
52

Com o objetivo de conscientizar a sociedade para a causa das cardiopatias congênitas, suas manifestações e necessidades, o Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI) promove amanhã a 1ª Olimpíada do “Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita”. A ação é em comemoração ao Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita, lembrado em todo País no dia 12 de junho.

Show, DJ e cosplay também serão atrações na Corrida de São Pedro

Neste sábado (22), além de acompanhar as disputas entre atletas da 41ª Corrida de...

Último dia para retirar kits da Corrida de São Pedro 

Está definido o local para retirada dos kits para a 41ª Corrida de São...

Assista a edição deste sábado (15) do programa “Top Show” pelo AQUINOTICIAS.COM

O programa "Top Show", do apresentador Parraro Scherrer, deste sábado (15) está no ar....

A expectativa é de que pelo menos 200 crianças participem da olimpíada que será na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Presidente Getúlio Vargas”, no bairro Aquidaban (Polivalente), a partir das 8h30. A ação contará com café da manhã especial, gincanas, brincadeiras e as participações especiais da Tina e da Turma da Alegria, da Segunda Igreja Batista de Cachoeiro.

De acordo com a anfitriã do evento, a cardiopediatra Andressa Mussi, a olimpíada tem o objetivo de sensibilizar as pessoas para a causa dessa doença. “A causa da cardiopatia congênita ainda é desconhecida. Ela surge antes mesmo do nascimento, mas pode se manifestar mais tarde na vida da criança ou até mesmo na adolescência. É a segunda principal causa de morte em menores de um ano. Então é importante conscientizar os governantes para podermos mudar um pouco este panorama de tratamento da cardiologia pediátrica no Brasil”, comenta.

Continua depois da publicidade

O setor da Cardiologia Pediátrica do Hospital Evangélico trata em média 3 mil pacientes por ano. Cerca de 90% deles ficam em acompanhamento com a Dra. Andressa desde que nascem até o final da adolescência. Ou seja, passam boa parte da vida sob os cuidados dela. E com os avanços da medicina e o crescimento da cardiologia pediátrica há a possibilidade desse cuidado ser todo pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Publicidade