Cachoeiro de Itapemirim

Faltam dois dias para a Olimpíada do Dia Nacional da Cardiopatia Congênita

COMPARTILHE
70

Com o objetivo de conscientizar a sociedade para a causa das cardiopatias congênitas, suas manifestações e necessidades, o Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI) promove amanhã a 1ª Olimpíada do “Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita”. A ação é em comemoração ao Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita, lembrado em todo País no dia 12 de junho.

Assista a edição deste sábado (17) do programa “Top Show” pelo AQUINOTICIAS.COM

O programa "Top Show", do apresentador Parraro Scherrer, deste sábado (17) está no ar....

Sumaré será palco para partida de Futebol Americano válida pelo Campeonato Brasileiro

O estádio Mário Monteiro, Sumaré, do Estrela do Norte Futebol Clube, em Cachoeiro, vai...

Praça de Gironda ganha reforma, academia e brinquedos

Na noite da última quinta-feira (15), foram inaugurados em Gironda os projetos Espaço Viva...

A expectativa é de que pelo menos 200 crianças participem da olimpíada que será na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Presidente Getúlio Vargas”, no bairro Aquidaban (Polivalente), a partir das 8h30. A ação contará com café da manhã especial, gincanas, brincadeiras e as participações especiais da Tina e da Turma da Alegria, da Segunda Igreja Batista de Cachoeiro.

De acordo com a anfitriã do evento, a cardiopediatra Andressa Mussi, a olimpíada tem o objetivo de sensibilizar as pessoas para a causa dessa doença. “A causa da cardiopatia congênita ainda é desconhecida. Ela surge antes mesmo do nascimento, mas pode se manifestar mais tarde na vida da criança ou até mesmo na adolescência. É a segunda principal causa de morte em menores de um ano. Então é importante conscientizar os governantes para podermos mudar um pouco este panorama de tratamento da cardiologia pediátrica no Brasil”, comenta.

Continua depois da publicidade

O setor da Cardiologia Pediátrica do Hospital Evangélico trata em média 3 mil pacientes por ano. Cerca de 90% deles ficam em acompanhamento com a Dra. Andressa desde que nascem até o final da adolescência. Ou seja, passam boa parte da vida sob os cuidados dela. E com os avanços da medicina e o crescimento da cardiologia pediátrica há a possibilidade desse cuidado ser todo pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Publicidade