Espírito Santo

Caso Samarco: Ministérios Públicos e Defensorias Públicas contestam liberação do consumo do pescado do Rio Doce pela Anvisa

COMPARTILHE
Foto: Arquivo/Fred Loureiro
87

As instituições dos Sistema de Justiça que atuam em defesa das pessoas atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão, ocorrido em 2015, em Mariana (MG), divulgaram, nesta sexta-feira (7), nota pública contestando a liberação do consumo de 200 gramas de peixe por dia do Rio Doce e da costa marinha afetada pelos rejeitos da Samarco.

MPF/ES abre inscrições para estágios na próxima segunda (16)

O Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF/ES) abre, na próxima segunda-feira (16), inscrições...

Operação integrada fiscaliza transporte de rochas no ES

O transporte de blocos e chapas de rochas ornamentais foi o foco da operação...

Servidores públicos do ES ameaçam entrar em greve nesta quarta-feira (11)

Servidores públicos do Espírito Santo vão deliberar sobre uma greve geral durante assembleia unificada...

A quantidade foi “liberada” nesta semana por uma nota técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mesmo apresentando vários metais na amostra.

No entanto, no entendimento dos Ministérios Públicos e das Defensorias Públicas, as conclusões da Anvisa, na verdade, reforçam a existência de um quadro crônico de contaminação do pescado na Bacia do Rio Doce que, mesmo que demande mais estudos, atesta a imperiosa necessidade da continuidade de todos os programas socioeconômicos em andamento pela Fundação Renova, bem como a urgente expansão de seu fornecimento àquelas comunidades que ainda não foram contempladas.

Continua depois da publicidade

Além disso, as instituições de Justiça, de acordo com o princípio da precaução, entendem que persistem dúvidas a respeito da qualidade do pescado na Bacia do Rio Doce e externam preocupação com a orientação descontextualizada da Anvisa pela Fundação Renova, razão pela qual adotarão as medidas cabíveis.

Clique AQUI e leia a nota na íntegra

Publicidade