Geral

Movimentação de talude de mina da Vale em Barão de Cocais chega a 56 cm por dia

COMPARTILHE
35

A movimentação do talude da mina de Gongo Soco, da empresa Vale em Barão de Cocais, chegou neste domingo, 16, a 56 centímetros por dia, a mais elevada até agora, conforme relatório divulgado pelo Corpo de Bombeiros. Apesar do aumento expressivo na movimentação da estrutura, – no último dia 3 de junho foi registrado deslocamento de 41,7 centímetros por dia – os bombeiros afirmam que a tendência é a estrutura continuar escorregando de forma “lenta e desagregada” para o fundo da cava.

Vale é condenada a pagar R$ 8 mi a parentes de família que morreu em pousada

A Vale foi condenada a pagar R$ 8,1 milhões de indenização por danos morais...

Zika inibe tumor de próstata, diz estudo

Depois de provocar uma grave epidemia que resultou no nascimento de milhares de bebês...

Senado aprova projeto para desestimular contato de adolescentes com cigarro

O Senado aprovou nesta terça-feira, 12, um projeto sobre medidas de combate ao tabagismo...

Este é o cenário considerado ideal, no caso, pelas autoridades. O outro seria a queda de uma vez só de uma parte expressiva do talude, o que poderia provocar um abalo sísmico com intensidade suficiente para afetar a barragem Sul Superior, da mineradora, que fica a 1,5 quilômetro da mina.

O abalo poderia fazer com que a barragem se rompa. A estrutura está no nível três de estabilidade, o que significa ruptura a qualquer momento. O status foi atribuído à Sul Superior em 22 de abril, portanto, antes do aumento da movimentação do talude que, passou a se deslocar de forma mais intensa em abril. A Agência Nacional de Mineração (ANM), à época, informou que a movimentação do talude antes era de 10 centímetros por ano desde 2012.

Continua depois da publicidade

Caso se rompa, rejeitos de minério de ferro da barragem atingiriam três municípios. Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo. Os três municípios tiveram que passar por simulados de evacuação de residências.

A Vale vem realizando obras em área entre a barragem e a cidade de Barão de Cocais, a primeira a ser atingida pelos rejeitos se a barragem se romper, para tentar diminuir o impacto da chegada da lama nas cidades. Procurada, a Vale não se posicionou sobre o aumento na velocidade da movimentação do talude da mina de Gongo Soco.

Leonardo Augusto, especial para AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade