Geral

Advogado critica fato de seu cliente ter ficado preso 4 anos sem julgamento

COMPARTILHE
13

O advogado Yuri Herculano, que defende um homem acusado de homicídio que, mesmo sem julgamento, vinha sendo privado da liberdade desde novembro de 2014, se manifestou sobre a decisão de ministros da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) – que revogaram a ordem de prisão preventiva do seu cliente, que não teve o nome divulgado.

'Ideia de ambiente não produtivo é um erro conceitual', diz biólogo espanhol

Em meio a um debate crescente no Brasil de oposição entre conservação da natureza...

Operação no Alemão deixa seis mortos e um PM ferido

Seis pessoas foram mortas e um policial militar ficou ferido durante confrontos entre a...

Baixa umidade causa alerta em São Paulo

A cidade de São Paulo entrou nesta quarta-feira, 18, em estado de atenção por...

“É inaceitável que casos como este precisem chegar aos Tribunais Superiores para que uma ilegalidade tão patente seja reconhecida. Mais lamentável ainda é que prisões preventivas como esta não são exceções no Estado de Pernambuco. A prisão preventiva não pode, em hipótese alguma, se revestir do caráter de punição antecipada”, disse o advogado.

O caso

Continua depois da publicidade

Os ministros da Sexta Turma do STJ revogaram a ordem de prisão preventiva do homem acusado de homicídio preso desde 2014. Apesar da “alegada complexidade do caso”, o colegiado entendeu que não há justificativa plausível para manter a prisão preventiva “diante da excessiva demora processual”.

Os ministros decidiram encaminhar ofício ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informando a situação e solicitando providências junto ao Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) para que o mesmo “explique a demora na condução do processo”.

O acusado, que não teve o nome divulgado, foi preso em novembro de 2014 durante a investigação de um de homicídio, e posteriormente a prisão temporária foi convertida em preventiva.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade