Geral

Advogado critica fato de seu cliente ter ficado preso 4 anos sem julgamento

COMPARTILHE
12

O advogado Yuri Herculano, que defende um homem acusado de homicídio que, mesmo sem julgamento, vinha sendo privado da liberdade desde novembro de 2014, se manifestou sobre a decisão de ministros da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) – que revogaram a ordem de prisão preventiva do seu cliente, que não teve o nome divulgado.

STJ manda a júri popular acusados pela morte de 242 na boate Kiss

Por 4 votos a 0, os ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram...

Para Maia, defesa do governo ao decreto de armas é frágil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a defesa do governo de...

Joice diz que governo terá de atuar com 'plano B' se decreto de armas cair

A líder do governo no Congresso Nacional, deputada federal Joice Hasselmann (PSL), disse nesta...

“É inaceitável que casos como este precisem chegar aos Tribunais Superiores para que uma ilegalidade tão patente seja reconhecida. Mais lamentável ainda é que prisões preventivas como esta não são exceções no Estado de Pernambuco. A prisão preventiva não pode, em hipótese alguma, se revestir do caráter de punição antecipada”, disse o advogado.

O caso

Continua depois da publicidade

Os ministros da Sexta Turma do STJ revogaram a ordem de prisão preventiva do homem acusado de homicídio preso desde 2014. Apesar da “alegada complexidade do caso”, o colegiado entendeu que não há justificativa plausível para manter a prisão preventiva “diante da excessiva demora processual”.

Os ministros decidiram encaminhar ofício ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informando a situação e solicitando providências junto ao Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) para que o mesmo “explique a demora na condução do processo”.

O acusado, que não teve o nome divulgado, foi preso em novembro de 2014 durante a investigação de um de homicídio, e posteriormente a prisão temporária foi convertida em preventiva.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade