Espírito Santo

'Meu marido e eu esperávamos um ou até gêmeos. Vieram cinco', conta capixaba mãe pela primeira vez

COMPARTILHE
973

O começo era esperançoso. A capixaba Mariana Mazzelli, de 35 anos, tentou engravidar durante um ano, mas não teve sucesso. Há oito meses, resolveu apostar em um método que induz a ovulação. Passaram 15 dias e o resultado não poderia ser melhor: positivo. Ela nem podia imaginar que eram de quíntuplos. “Estávamos esperando um só, ou até gêmeos, mas não cinco”, disse ela, que deu à luz na semana passada, em um parto que envolveu 36 profissionais, entre médicos, enfermeiros e assistentes.

Sedu abre 150 vagas em processo seletivo para Intercâmbio no exterior

tenção, alunos matriculados nos Centros Estaduais de Idiomas (CEIs) da Rede Estadual de Ensino! Estão...

PRF inicia Operação Corpus Christi nesta quarta (19) no Espírito Santo

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) iniciará à meia-noite desta quarta-feira (19), a Operação Corpus...

Governador sanciona leis que criam Fundo Soberano e Fundo de Infraestrutura no ES

O governador do Estado, Renato Casagrande, sanciona, nesta segunda-feira (17), as leis que criam...

“Cinco é demais, incrível”, contou a gerente administrativa, que trabalha no cartório da família em Guarapari, região metropolitana de Vitória. “Só agora nossa ficha está caindo.”

Ela tentou engravidar várias vezes, mas não recorreu à inseminação artificial sugerida pelo médico, por ser um método caro. Preferiu a estratégia do coito programado – a indução da ovulação por meio de injeções subcutâneas de hormônios.

Continua depois da publicidade

Mariana fez o procedimento uma única vez e o resultado veio na primeira fase. “A gente (ela e o marido) pulava, se abraçava, ria e chorava. Tudo ao mesmo tempo”, lembra. Foram 28 semanas de gestação.

O parto durou cerca de uma hora. Laís e Beatriz foram as bebês que tiveram o menor peso, uma com 450 g e a outra com 430 g. Benício chegou com 755 g, Bella teve 900 g e o maior, Jayme (mesmo nome do pai), veio ao mundo com 1.060 kg.

As crianças agora estão na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) neonatal em um hospital particular de Vitória. Devem deixar o hospital em até 90 dias, segundo a equipe médica.

“Mudou a nossa vida de cabeça para baixo. Vamos ter de trocar carro, nossa casa vai mudar. Está todo mundo se mobilizando, querendo participar, doando fraldas. Mudou tudo. Para melhor”, conta a nova mãe.

Múltiplos

Casos como o de Mariana são bastante raros. Segundo Hitomi Nakagawa, presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida, 80% das mulheres conseguem ovular com essa estimulação por medicamentos. “Mas só uma parte engravida. Dependendo do número de óvulos, há em torno de 10% de chance de ter gestação múltipla, mas de dois (bebês)”, explica a especialista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Vinícius Rangel, especial para a AE, com colaboração de Paula Felix
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade