Internacional

Porto Príncipe amanhece paralisada após protestos ao redor do Haiti

COMPARTILHE
15
Advertisement
Advertisement

A capital do Haiti amanheceu paralisada nesta segunda-feira, 10, após uma onda de protestos violentos tomar conta do país no domingo, pedindo a renúncia do presidente Jovenel Moise. Tanto o transporte público quanto escolas e comércios não estão abertos. Rodovias ao redor da capital também estão bloqueadas com barricadas, e tiros foram ouvidos por moradores em várias regiões da capital do país.

Protestos contra o racismo nos EUA continuaram neste sábado

Dezenas de milhares de manifestantes foram às ruas em Washington e em outras grandes...

Setor público dos EUA cortou mais de 1,5 milhão de empregos desde março

Os governos federal, estadual e local dos Estados Unidos cortaram mais de 1,5 milhão...

EUA: Pompeo diz que China explora morte de George Floyd com fins políticos

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, criticou duramente a China neste sábado, dizendo...

Um dos líderes da oposição estima que ao menos 7 pessoas foram mortas e mais de 100 estejam feridas, enquanto a Polícia aponta 2 mortes e 5 pessoas feridas. 12 manifestantes foram presos após atear fogo a dois carros da polícia e dois edifícios.

Testemunhas afirmam que um dos mortos teria sido atingido a pedradas por um policial. Outro morto teria sido atingido pela Guarda Presidencial em frente ao palácio do presidente da República, após os seguranças atirarem contra um grupo de manifestantes. O governo ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Moise é investigado por corrupção por recebimento de dinheiro irregular do programa Petrocaribe, por onde a Venezuela oferecia petróleo a preços inferiores ao Haiti. O governo de Nicolás Maduro também teria financiado obras no Haiti que nunca saíram do papel.

Outros membros do governo haitiano estão na mira da investigação, como o ex-presidente Michel Matelly e o ex-primeiro ministro Laurent Lamothe. Segundo investigação da Corte Superior de Contas do Haiti, existe uma rede de funcionários no governo que manejam obtenção de contratos e concessões para amigos de Matelly e Lamothe.

A Corte definiu como “grave” o gasto superior a US$ 2 milhões dos fundos da Petrocaribe entre 2008 e 2016, equivalente à metade dos recursos gerados pelo programa neste período.

A crise econômica e política no Haiti está agravada desde 7 de fevereiro, o mesmo dia em que Moise completou dois anos no cargo. (Com agências internacionais)

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.