Cidades

Professores e funcionários de escolas públicas cruzam os braços a partir de hoje

COMPARTILHE
2551
Advertisement
Advertisement

Contra a Reforma da Previdência e os cortes de investimentos na Educação Básica e no Ensino Superior, professores e funcionários de escolas públicas, em todo o País, paralisam suas atividades hoje. Movimento teve adesão em municípios da região Sul do Estado.

Feirão da Solidariedade em Cachoeiro tem produtos com 30% de desconto e até preço de custo

Começou, nesta terça-feira (18), o “Feirão da Solidariedade”, organizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento...

Avenidas centrais de Guaçuí ganham nova iluminação

A Prefeitura de Guaçuí, por meio da Secretaria Municipal de Obras, Infraestrutura e Serviços...

Centros culturais de Cachoeiro oferecem oficinas artísticas gratuitas

Os centros culturais de Cachoeiro de Itapemirim serão utilizados para várias oficinas artísticas gratuitas...

A Greve da Educação está sendo organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE) e suas entidades filiadas, entre elas o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Espírito Santo (SINDIUPES).

De acordo com o SINDIUPES, é uma mobilização contra a Reforma da Previdência e inúmeras medidas que estão sendo tomadas pelo Governo Federal que, segundo o sindicato, desvalorizam os profissionais, afetam a qualidade do sistema educacional e prejudicam a população em geral.

Advertisement
Continua depois da publicidade

No Espírito Santo, haverá Ato Público a partir das 8h30 na Praça do Papa, em Vitória, com a participação de trabalhadores em educação de todas as regiões do Estado. Mais de 60 municípios capixabas já confirmaram presença na manifestação.

Na região Sul, foi aprovada paralisação nas redes municipais de Anchieta, Piúma e Venda Nova do Imigrante. Na Rede Estadual haverá Assembleia Geral, a partir das 8h, no Ginásio do Álvares Cabral, em Bento Ferreira.

Além dos trabalhadores em educação da rede pública, o movimento contará também com o apoio de profissionais da rede particular, estudantes dos Ensinos Médio e Superior, professores e funcionários da UFES e IFES, petroleiros, entre outras categorias e diversas entidades sindicais e movimentos sociais.

Advertisement

Advertisement