Cidades

Operação Carro de Boi: médico da Santa Casa de Guaçuí tem prisão revogada

COMPARTILHE
Divulgação
3259

O médico Waldir de Aguiar Filho, preso na última terça-feira (7), durante a ‘Operação Carro de Boi’, para apurar irregularidades fiscais, adulteração de carga horária e desvio de dinheiro dentro da Santa Casa de Guaçuí, teve o pedido de prisão preventiva revogado pelo juiz Bruno Fritoli Almeida.

Professores de Cachoeiro terão curso sobre educação no trânsito

Professores da rede municipal de ensino de Cachoeiro de Itapemirim participarão do curso de...

Grupo Vittia participa da Feacoop Coopercitrus com a apresentação de novas tecnologias

O Grupo Vittia, um dos líderes nacionais no segmento de fertilizantes e inoculantes, estará...

Cachoeiro: inscrições para Salão de Artes Levino Fanzeres são prorrogadas

Foram prorrogadas as inscrições para artistas visuais que querem expor suas obras no VIII...

A operação foi deflagrada pela Polícia Civil e pelo Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com apoio da Polícia Militar.

O magistrado alegou nos autos do processo que contra o médico ‘havia ausência de requisitos legais para a prisão preventiva do réu’, ou seja, contra Filho não existiam provas suficientes para uma suposta participação no esquema.

Continua depois da publicidade

Outro fator mencionado na decisão que converte a prisão preventiva em liberdade provisória é de que durante a operação, Waldir não apresentou resistência e colaborou com as investigações.

Ele repassou ao Ministério Público nomes de investigados que teriam ‘vazado’ a informação de que naquele dia aconteceria a operação, possibilitando a fuga de cinco, dos 11 investigados.

Waldir precisará comparecer todo quinto dia útil do mês na sede do Ministério público; não poderá ter qualquer tipo de contato com testemunhas e envolvidos no caso e não poderá viajar para fora do Estado.

O promotor de Justiça, Gino Borges, informou que àqueles que tiverem informações ou denunciais sobre casos de irregulares em qualquer departamento público ou privado, pode se encaminhar à sede do MP no município, ou repassar informações por meio da ouvidoria. O anonimato é garantido pela Justiça.

Prisões

Entre os presos estão o provedor da unidade José Areal Prado Filho, os empresários Carlos Alberto de Almeida, o ex-provedor Renato Monteiro Pinho, os médicos Eduardo José de Oliveira Almeida e Victor Oliveira Almeida.

Também tiveram a prisão preventiva decretada e são considerados foragidos o superintendente Denis Vaiz da Silva Ferreira, o ex-provedor e atual vereador Valmir Santiago (PTB), além dos médicos Jeovah Guimarães Tavares, Hélio José de Campos Ferraz Filho e Daniel Sabatini Teodoro. Nenhum deles, até o momento, se entregou à polícia.

 

 

 

Publicidade