Espírito Santo

MPF investiga irregularidades e recomenda que Ifes aplique corretamente a lei de cotas

COMPARTILHE
240

O Ministério Público Federal (MPF) no Espírito Santo recomendou ao Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) que, em seus próximos concursos públicos, os candidatos autodeclarados negros que figurem na lista de ampla concorrência não sejam computados para efeito do preenchimento das vagas reservadas para as cotas, conforme previsto no artigo 3º, §1º, da Lei 12.990/2014 (Lei das cotas nos concursos públicos).

Brasil tem recorde de praias candidatas a certificação ambiental; ES fora da lista

/com informações Agência Brasil   O Brasil pode ter no próximo verão um número recorde de...

MPF quer que procurador-geral da Ufes, condenado por improbidade, perca o cargo efetivo

O Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF/ES) apelou da sentença que condenou o...

Jeremias Reis, campeão do The Voice Kids, e “O Rei Leão” são os destaques da agenda do fim de semana no Sul do ES

O final de semana chegou trazendo atrações para todos os gostos musicais. A 20ª...

A recomendação foi expedida depois da instauração de procedimento administrativo que apura suposta irregularidade praticada pelo Ifes, tendo em vista que a comissão organizadora do concurso público para o cargo de professor (Edital nº 02/2018) teria violado a Lei de Cotas quanto às regras para classificação dos candidatos autodeclarados pretos ou pardos.

Após divulgada a lista de candidatos aprovados na primeira fase do referido concurso público, foi verificado que os candidatos classificados em 1º e 2º lugar na categoria pretos e pardos também figuravam na lista de ampla concorrência. Com isso, eles foram computados para o preenchimento das vagas destinadas aos cotistas.

Continua depois da publicidade

De acordo com a recomendação, a conduta adotada pelo Ifes diverge do entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que, ao declarar a constitucionalidade da Lei 12.990/2014 por meio da Ação Direta de Constitucionalidade (ADC) nº 41, determinou, expressamente, que “os percentuais de reserva de vaga devem valer para todas as fases dos concursos” e que “a reserva deve ser aplicada em todas as vagas oferecidas no concurso público (não apenas no edital de abertura)”.

Nesse sentido, no citado concurso, o Ifes descumpriu o percentual de vagas destinadas aos concorrentes pretos e pardos, visto que os candidatos cotistas que figuraram também na lista da ampla concorrência impediram que outros candidatos da mesma modalidade fossem classificados para a fase seguinte.

A Procuradoria requisita que, no prazo de 15 dias, a reitoria do Ifes se manifeste sobre o atendimento à recomendação com o envio de documentos comprobatórios.

Publicidade