Operação Rubi

MPES apresenta a primeira denúncia contra investigados na Operação Rubi no Sul do Estado

COMPARTILHE
832

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça Judicial e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), apresentou à Justiça, na última sexta-feira, a primeira denúncia contra pessoas envolvidas no esquema de corrupção investigado na Operação Rubi.

Presidente Kennedy: Justiça aumenta prazo de prisão de Amanda Quinta

A prefeita presa de Presidente Kennedy e dois secretários municipais, denunciados na Operação Rubi, tiveram...

Prefeita Amanda Quinta e secretário permanecerão presos, decide STJ

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a prisão preventiva da prefeita afastada de...

Contratos superfaturados nas prefeituras de Kennedy, Marataízes e Piúma somam mais de R$ 150 mi

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) informou nesta segunda-feira (13) que...

O MPES requer na denúncia a condenação dos denunciados pelos crimes de organização criminosa, crime de responsabilidade de prefeito, corrupção passiva e ativa e falsidade documental. Requer também a manutenção da prisão preventiva dos réus e o afastamento cautelar dos agentes públicos, além da indisponibilidade dos bens dos denunciados, entre outros pedidos.

A prefeita de Presidente Kennedy, Amanda Quinta, dois secretários municipais e outras três pessoas estão presos desde a deflagração da operação, no último dia 8. O caso tramita sob sigilo.

Continua depois da publicidade

Organização criminosa

Segundo o Ministério Público, uma organização criminosa foi constituída para lesar os cofres públicos dos municípios de Presidente Kennedy, Marataízes, Jaguaré e Piúma com direcionamento licitatório em favor de empresas contratadas, pagamento de propinas a agentes públicos e superfaturamento de prestação de serviço público.

As investigações do Gaeco, com o apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES e parceria do Tribunal de Contas (TCE), tiveram início em 2018 e colheram evidências contundentes de que agentes políticos e servidores municipais recebiam propina de empresários dos ramos de limpeza pública e transporte coletivo. Esses valores pagos eram uma forma de retribuição por receberem benefícios financeiros em licitações e contratos, levando ao enriquecimento indevido dos envolvidos.

Seis pessoas foram presas preventivamente por participação no esquema, incluindo a prefeita afastada de Presidente Kennedy, dois secretários municipais afastados e um empresário. Existe um mandado de prisão em aberto contra outro empresário, que está na situação de foragido da Justiça desde a deflagração da operação.

Publicidade