Esporte

Justiça libera presença de atletas da base no Ninho do Urubu

COMPARTILHE
Centro de treinamento presidente George Helal, conhecido com Ninho do Urubu, é utilizado pela equipe de futebol do Flamengo. Foto da bandeira destruída depois de um incêndio.
26

/com informações Agência Brasil

Klopp reduz favoritismo do Liverpool ao apontar City como 'melhor time do mundo'

Um dia antes de o Liverpool estrear nesta próxima edição da Liga dos Campeões...

Com 'virada relâmpago', Operário vence Ponte Preta e dorme no G4 da Série B

Com dois marcados em um intervalo de apenas quatro minutos na noite desta segunda-feira,...

'Nunca trabalhei em um grupo igual a esse', diz Luxemburgo sobre o time do Vasco

Embora tenha treinado e conquistado vários títulos com diversos times fortes que dirigiu ao...

 

A presença e permanência de crianças e adolescentes no Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo, foi autorizada pela Justiça. A medida foi tomada pelo juiz Pedro Henrique Alves, da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, e divulgada nesta sexta-feira (24). Com isso, atletas das categorias de base do clube podem voltar a frequentar e permanecer no local.

Continua depois da publicidade

A decisão judicial foi baseada em um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado entre o clube e a Justiça no último dia 21, com a definição de obrigações do Flamengo para garantir segurança, escolaridade e saúde aos atletas.

O TAC determina que o Flamengo providencie o Habite-se regular junto à prefeitura do Rio no prazo de 180 dias, sob pena de revogação do documento. Precisará ainda do alvará de funcionamento expedido pelo município, certificado do Corpo de Bombeiros, plantas das edificações, protocolo de segurança contra incêndio e pânico, treinamento de evacuação e rotina de treinamentos.

Outra obrigação é a oficialização de contratos de formação dos jogadores, residentes ou não no centro de treinamento, com a previsão de bolsa para os atletas de faixa etária entre 14 e 20 anos, conforme a Lei Pelé. Cabe ainda ao clube assegurar o acesso e a permanência do jovem em estabelecimento regular de ensino.

No dia 8 de fevereiro, um incêndio destruiu as instalações do alojamento onde ficava os jogadores da categoria de base e provocou a morte de 10 atletas, além de ferimentos em três jogadores.

Publicidade