Internacional

Caças F-22 dos EUA interceptam bombardeiros russos TU-95 no Alasca

COMPARTILHE
14

Caças americanos interceptaram seis aviões militares russos no espaço aéreo internacional a oeste do Alasca e os seguiram até deixar a área, informou na terça-feira, 21, o Comando de Defesa Aérea da América do Norte (Norad, sigla em inglês).

Juncker diz que risco de Brexit sem acordo permanece "muito real"

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que o risco de que o...

Arábia Saudita se une a coalizão marítima liderada pelos EUA no Golfo Pérsico

A Arábia Saudita anunciou que se juntará a uma coalizão de forças navais liderada...

Netanyahu não obtém maioria para formar governo, indica apuração

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, não vai conseguir obter maioria no Parlamento do...

A esquadra russa incluía dois bombardeiros estratégicos Tupolev TU-95, que foram interceptados na segunda-feira por dois caças F-22, detalhou o Comando.

Um segundo grupo de dois bombardeiros Tu-95 e dois caças Su-35 também foram interceptados por outro par de caças F-22, indicou.

Continua depois da publicidade

Um avião de vigilância do grupo Airborne Warning and Control System (AWACS) supervisionou as operações, destacou o Norad, acrescentando que os aviões russos voaram no espaço aéreo internacional a todo momento.

Foram interceptados quando entraram na Zona de Identificação da Defesa Aérea do Alasca, um perímetro que fica fora do espaço aéreo nacional, mas dentro da qual o tráfego aéreo permanece sob vigilância constante para reduzir os tempos de resposta em caso de uma ameaça hostil.

“Nossa capacidade de dissuadir e neutralizar as ameaças contra nossos cidadãos e a infraestrutura vital começa com a detecção e o acompanhamento e a identificação positiva das aeronaves em nosso espaço aéreo”, declarou o comandante do Norad, general Terrence O’Shaughnessy.

As Forças Armadas americanas contam com um sistema de radares e satélites que servem para localizar a presença de aviões não identificados no Ártico e permitem determinar o tipo de resposta necessária. (Com agências internacionais)

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade