Política Nacional

MP acusa ex-prefeito de Ferraz por desvios na compra de 6,3 milhões de pãezinhos

COMPARTILHE
24
Advertisement
Advertisement

Preso preventivamente, o ex-prefeito de Ferraz de Vasconcelos (SP) Acir Filó é alvo de mais uma ação penal, desta vez, envolvendo supostos desvios milionários na compra de milhões de pãezinhos para a merenda escolar do município situado na região Leste da Grande São Paulo.

PGR denuncia líder do Centrão Arthur Lira por propina de R$ 1,6 mi na Lava Jato

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou no Supremo Tribunal Federal (STF) o deputado federal...

Senador pede ao TCU quebra do sigilo de gastos com publicidade da Caixa e do BB

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) entrou com uma representação na sexta-feira, 5, junto ao...

PL determina que dados da covid-19 enviados ao governo sejam repassados à Câmara

Para driblar o atraso na divulgação de dados do coronavírus pelo Ministério da Saúde,...

Segundo os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público em Guarulhos, em 2014, foram adquiridas 6,3 milhões de unidades do alimento em 17 meses, o bastante para abastecer escolas e creches por seis anos.

O Ministério Público Estadual ainda aponta que os valores desviados chegaram às contas de pessoas próximas a um ex-secretário municipal que também é condenado por lavar dinheiro a lideranças do PCC, a facção criminosa que domina presídios paulistas e em outras regiões do país.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

De acordo com o Centro de Apoio à Execução, órgão de perícia do Ministério Público, “a Administração Pública pagou, nesta licitação, um preço até 37% superior pelo pão francês”. “Quanto ao preço do pão de cachorro-quente o superfaturamento chegou a 100%”, informa o laudo da Promotoria.

“Ainda que se considerasse o fornecimento de pães para todos os alunos matriculados na rede municipal de ensino, além de todos os alunos da rede estadual (…), foram comprados pães suficientes para 435 dias letivos, ou seja, 2 anos letivos”, crava o Ministério Público.

Segundo os promotores, “durante a vigência deste contrato e do convênio, se a Prefeitura tivesse adquirido apenas a quantidade indicada pela Secretaria de Educação e pago o valor de mercado pelos produtos teria gasto R$ 2.896.083,62 a menos do que gastou”.

Até o fechamento deste texto, a reportagem não havia obtido o posicionamento do ex-prefeito.

Luiz Vassallo
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.