Economia

Ações de empresas de chips despencam com preocupação de boicote à chinesa Huawei

COMPARTILHE
13

As ações de fabricantes americanas e europeias de chips caíram acentuadamente nesta segunda-feira, 20, em meio a preocupações de que os fornecedores da Huawei possam suspender os embarques para a empresa chinesa devido ao veto dos Estados Unidos.

CNPE publica resolução sobre Novo Mercado de Gás

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) publicou no Diário Oficial da União (DOU),...

Clima positivo no exterior e expectativa sobre Previdência mantêm índice positivo

O Ibovespa opera em leve alta, após ter alcançado novamente o nível dos 101...

Relator da reforma não descarta possibilidade de ler voto ainda nesta quarta

O relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), não descartou a possibilidade...

O movimento ocorreu após o jornal Nikkei Asian Review ter informado que a Infineon havia suspendido as remessas para a Huawei depois que os EUA colocaram a segunda maior fabricante de smartphones do mundo em uma lista negra na semana passada, impondo restrições que dificultarão a realização de negócios com empresas norte-americanas.

Além disso, a agência de notícias Bloomberg publicou na manhã desta segunda-feira, 20, que empresas como Intel, Qualcomm, Xilinx e Broadcom já informaram a seus empregados que vão parar de fornecer material para a Huawei, até segunda ordem.

Continua depois da publicidade

Há o temor no mercado de que essas ações estrangulem a estratégia da Huawei e, ao mesmo tempo, afetem o desenvolvimento de redes 5G no planeta.

O Google, por sua vez, vai parar de fornecer acesso a apps proprietários aos dispositivos da chinesa, como o Gmail e a loja de aplicativos Play Store.

A fabricante europeia de chips STMicroelectronics caiu 8%, para a parte inferior do Paris CAC 40, enquanto a Infineon caiu 4,5% no DAX 30 de Frankfurt. A AMS caiu 11,5% pela manhã.

A alemã Infineon e a francesa STMicro, maiores fabricantes de chips da Europa, não fizeram comentários imediatos.

Nos EUA, a Broadcom e a Qualcomm operaram com queda de mais de 4% na manhã desta segunda-feira; já o Google e a Intel caíram cerca de 2%.

Mesmo que as empresas possam continuar vendendo componentes sem estarem sujeitas às restrições dos EUA, qualquer interrupção nas operações da Huawei terá um efeito secundário em seus fornecedores, disse Janardan Menon, analista da Liberum.

“Nos próximos meses, pode-se supor amplamente que a parte da Huawei de seus negócios (de fornecedores de chips europeus) verá um pouco de fraqueza, se o governo dos EUA não mudar de ideia”, disse ele. O impacto não será uniforme porque as empresas têm diferentes níveis de exposição. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Redação Link
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade