Internacional

Boeing admite falha em software do simulador de voo do 737 MAX, segundo agência

COMPARTILHE
25
Advertisement
Advertisement

A Boeing assumiu neste sábado que teve que corrigir falhas no software dos simuladores de voo destinados a formação de pilotos do 737 MAX 8, modelo de avião envolvido nos dois acidentes que deixaram mais de 300 mortos. Segundo a agência de notícias AFP, a Boeing não precisou a data em que notou os defeitos no programa nem se comunicou o fato aos órgãos reguladores. É a primeira vez que fabricante de aviões norte-americana admite um defeito de concepção do equipamento do 737 MAX.

EUA impõem sanções a quatro empresas por transporte de petróleo venezuelano

Os Estados Unidos impuseram nesta terça-feira, 2, sanções a quatro empresas que transportaram petróleo...

Trump pressiona prefeito de NY a convocar Força Nacional para conter protestos

O presidente norte-americano, Donald Trump, ampliou a pressão para que o prefeito de Nova...

Trump diz que desenvolvimento de vacinas avança mais rápido do que o previsto

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira, 2, que tem havido...

“A Boeing fez correções no software do simulador de voo do 737 MAX e forneceu informações complementares aos operadores do aparelho para garantir que a experiência com o simulador seja suficiente para cobrir as diferentes condições de voo”, informou a companhia em comunicado.

Segundo a fabricante de aviões, o software utilizado nos simuladores era incapaz de reproduzir algumas condições de voo, em especial aquelas que resultaram no acidente do 737 MAX de Ethiopian Airlines, em 10 de março, em Adís Abeba, apenas minutos após a decolagem, causando a morte de 157 pessoas.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Contato: [email protected]

Fabiana Holtz
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.