Economia

Ministro comemora Air Europa em voos no Brasil e cita passagens mais baratas

COMPARTILHE
20

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, comemorou a demonstração de interesse do grupo espanhol Air Europa em operar voos domésticos no Brasil. A despeito da possibilidade de derrubada da Medida Provisória que abre o mercado aéreo a empresas estrangeiras, o ministro exaltou a perspectiva de novos voos da empresa, o que ajudaria a reduzir os preços do transporte aéreo no Brasil.

Embraer e Azul assinam contrato sobre suporte à nova frota de jatos E195-E2

A Embraer anunciou nesta tarde de segunda-feira, 17, durante o Paris Air Show International...

'Mantivemos os R$ 10 bi de subvenção ao crédito', diz ministra sobre Plano Safra

A elaboração do Plano Agrícola e Pecuário 2019/20 "foi uma dificuldade", reconheceu a ministra...

Justiça de SP libera venda de ativos da Avianca

Por dois votos a um, o colegiado de desembargadores do Tribunal de Justiça de...

“O Grupo Globalia, da Air Europa, está fundando no Brasil uma nova empresa de aviação, a 1ª após edição da MP que abre companhias brasileiras para capital externo”, disse o ministro pelo Twitter. Segundo Freitas, a outorga “será pedida nos próximos dias”. A entrada de estrangeiros, segundo ele, “será importante para equilibrarmos oferta de voos e reduzir preço da passagem”. “Obtendo a outorga, ela vai contratar pilotos e tripulação brasileira, gerando empregos, concorrência no setor e novos investimentos no País”, comemorou.

A informação do interesse da Air Europa foi antecipada ontem à noite pelo Broadcast. Segundo a reportagem, a companhia já solicitou registro na junta comercial de São Paulo, primeiro passo para se constituir no Brasil, e indicou à cúpula da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que pedirá autorização de operação em breve.

Continua depois da publicidade

O movimento da Air Europa ocorre diante da possibilidade crescente de caducar o texto da Medida Provisória 863 – editada em dezembro de 2018 para permitir que estrangeiros possam deter até 100% do capital de aéreas brasileiras. Até então, o limite era 20%. A MP pode deixar de vigorar se não for votada até quarta-feira. O governo diz que tentará passá-la, retirando no plenário dois dispositivos incluídos pelos congressistas: o fim da cobrança por bagagem e a exigência de que estrangeiros façam rotas regionais.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade