Economia

Ministro comemora Air Europa em voos no Brasil e cita passagens mais baratas

COMPARTILHE
24

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, comemorou a demonstração de interesse do grupo espanhol Air Europa em operar voos domésticos no Brasil. A despeito da possibilidade de derrubada da Medida Provisória que abre o mercado aéreo a empresas estrangeiras, o ministro exaltou a perspectiva de novos voos da empresa, o que ajudaria a reduzir os preços do transporte aéreo no Brasil.

China corta taxa de recompra reversa de 7 dias para 2,5%, 1ª redução desde 2015

O Banco Popular da China (PBoC, na sigla em inglês) cortou em cinco pontos-base...

Reforma administrativa pode demorar um pouco, diz Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse neste domingo, 17, que a reforma administrativa...

Gustavo Werneck, da Gerdau: Choque digital como questão de sobrevivência

Como uma empresa da chamada "economia real" lida com as mudanças de um mundo...

“O Grupo Globalia, da Air Europa, está fundando no Brasil uma nova empresa de aviação, a 1ª após edição da MP que abre companhias brasileiras para capital externo”, disse o ministro pelo Twitter. Segundo Freitas, a outorga “será pedida nos próximos dias”. A entrada de estrangeiros, segundo ele, “será importante para equilibrarmos oferta de voos e reduzir preço da passagem”. “Obtendo a outorga, ela vai contratar pilotos e tripulação brasileira, gerando empregos, concorrência no setor e novos investimentos no País”, comemorou.

A informação do interesse da Air Europa foi antecipada ontem à noite pelo Broadcast. Segundo a reportagem, a companhia já solicitou registro na junta comercial de São Paulo, primeiro passo para se constituir no Brasil, e indicou à cúpula da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que pedirá autorização de operação em breve.

Continua depois da publicidade

O movimento da Air Europa ocorre diante da possibilidade crescente de caducar o texto da Medida Provisória 863 – editada em dezembro de 2018 para permitir que estrangeiros possam deter até 100% do capital de aéreas brasileiras. Até então, o limite era 20%. A MP pode deixar de vigorar se não for votada até quarta-feira. O governo diz que tentará passá-la, retirando no plenário dois dispositivos incluídos pelos congressistas: o fim da cobrança por bagagem e a exigência de que estrangeiros façam rotas regionais.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade