Economia

Aplicativos colocam utilização de carro na ponta do lápis

COMPARTILHE
20

A avalanche de alternativas de transporte dos últimos anos parece estar soterrando de vez a ideia de que carro próprio é sinônimo de liberdade. Enquanto muita gente aproveita os serviços de compartilhamento de carros, bicicletas e patinetes enquanto pensa se ainda vale a pena manter um automóvel na garagem, parte dos jovens já tem certeza de que não.

Reforma administrativa pode demorar um pouco, diz Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse neste domingo, 17, que a reforma administrativa...

Gustavo Werneck, da Gerdau: Choque digital como questão de sobrevivência

Como uma empresa da chamada "economia real" lida com as mudanças de um mundo...

Custo de um filho em São Paulo pode variar 104 vezes, dependendo do bairro

Giuliana Pierri e Luciene Bertolazi estão separadas por apenas 22 quilômetros. Mas não poderiam...

Eles não só não pensam em comprar carro como nem sequer querem dirigir. O número de emissões de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para quem tem entre 18 e 21 anos caiu 20,6% em três anos, segundo dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). O total passou de 1,2 milhão, em 2014, para 939 mil, em 2017. Houve queda também nas outras faixas etárias, o que reduziu de 3 milhões para 2,1 milhões o total de emissões no mesmo período.

A mudança de hábito é impulsionada também por questões econômicas. Um estudo inédito do Boston Consulting Group (BCG) aponta que, para o consumidor que roda entre 7.000 km e 8.000 km por ano – fatia que representa cerca de 25% das pessoas que têm carro -, vale mais a pena usar um veículo compartilhado em seus deslocamentos.

Continua depois da publicidade

“O pior uso do carro é o pouco uso, uma vez que é um ativo caro, que deprecia rapidamente e com uma série de custos fixos que independem do quanto você usa”, diz Régis Nieto, sócio do BCG e um dos líderes de projetos voltados para mobilidade e indústria automotiva no Brasil. O executivo salienta que essa conclusão é baseada apenas em uma análise econômica e não leva em consideração outros fatores. “É importante lembrar que abrir mão do carro traz eficiência, mas há perdas em situações específicas, como na hora de sair com a namorada, viajar ou passear com crianças pequenas que precisam de cadeirinha”, afirma. No dia 30 de maio, ele participa do Summit Mobilidade Urbana, realizado pelo Estado.

Outro ponto importante que a pesquisa identificou está relacionado à segurança. Para 16% dos entrevistados, entrar no carro de alguém que não conhecem é motivo de desconforto. Uma fatia de 13% se incomoda com a falta de privacidade que a presença de um motorista de aplicativo representa. Foram citados ainda como obstáculo à adesão total ao carro compartilhado a inconstância do tempo de espera e a necessidade de transportar equipamentos como carrinhos de bebê e as próprias cadeirinhas infantis. “Você vai justificar o uso do carro com outros fatores ligados a conforto e comodidade, mas economicamente, mesmo que a vaga de estacionamento seja muito barata, não compensa”.

Alternativas

Na região da Avenida Faria Lima, o carro próprio compete não só com os serviços por aplicativo, mas também com patinetes e bicicletas. “No preço atual, o patinete não é uma solução de mobilidade. Ele é mais desconfortável e mais caro que a corrida compartilhada entre vários usuários feita por aplicativo”, avalia Nieto. Já a bicicleta traz vantagens: preço mais acessível e possibilidade de aproveitar o deslocamento para fazer atividade física. Mas a agressividade do trânsito e o tamanho da cidade dificultam o aumento da adesão.

Mariana Barros, especial para AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade