Política Nacional

Flávio Bolsonaro diz ao SBT que pretende recorrer de quebra de sigilo

COMPARTILHE
20

Em entrevista ao SBT transmitida nesta quarta-feira, 15, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou que pretende recorrer da decisão do Tribunal de Justiça do Rio que determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dele, de seu ex-assessor Fabrício Queiroz e mais de 90 pessoas. “Houve a quebra de sigilo por um prazo de 12 anos e, para fundamentar isso, ele (o juiz) usou um parágrafo”, afirmou.

Autuação da Receita em posto de Americana deu origem à decisão de Toffoli

A decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que suspendeu...

Raquel diz que Lava Jato tem apoio 'institucional e administrativo' da PGR

Em meio a divulgação de supostas mensagens de membros da Lava Jato, a procuradora-geral...

Ministro da Educação defende no Twitter indicação de Eduardo para embaixada

Mais um ministro entrou em cena para defender publicamente o nome do deputado Eduardo...

Flávio voltou a dizer que está sendo vítima de ilegalidades na investigação do Ministério Público do Rio sobre movimentações financeiras atípicas na conta de Queiroz. “Nunca falei que sou contra a investigação, que estou tentando impedir alguma coisa, nada disso. O que eu sempre relutei, e me causa revolta até, é a forma com que as coisas estão acontecendo. Estou sendo vítima, uma vez atrás de outra vez, de ilegalidades, não sou tratado como brasileiro normal”.

Questionado sobre a valorização de quase 400% de seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral, conforme noticiado pela imprensa, o senador sugeriu que os números refletem uma dinâmica comum de negociação de bens e apontou que a própria imprensa o ajuda a esclarecer os fatos. “Entrevistaram algumas pessoas com as quais eu negociei imóveis, e elas falaram ‘eu quis comprar, ele quis vender, ele teve uma oportunidade e nós fizemos negócio'”.

Continua depois da publicidade

O filho do presidente Jair Bolsonaro negou ainda que tenha vínculos com milicianos ao ser perguntado sobre sua relação com o ex-capitão da PM Adriano Magalhães da Nóbrega, que é acusado de chefiar uma milícia no Rio. Flávio afirmou que não pode controlar o que funcionários de seu gabinete fazem “da porta para fora”. “Sou totalmente contra a milícia, nunca apoiei milícia na minha vida, sempre apoiei policiais”, declarou.

Letícia Fucuchima
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade