Esporte Nacional

Diego Souza minimiza jejum de gols no Botafogo: 'Não estou preocupado com isso'

COMPARTILHE
22
Advertisement
Advertisement

Depois de ter estreado pelo Botafogo em 17 de março, Diego Souza está prestes a completar dois meses atuando pelo time e, neste período, só conseguiu marcar um gol. E isso ocorreu em seu segundo jogo pela equipe, no dia 21 daquele mês, em vitória por 4 a 1 sobre a Portuguesa, pelo Campeonato Carioca.

Vice do Grêmio vê 'situação controlada' no RS e prevê volta do Gauchão em julho

O vice-presidente de futebol do Grêmio, Paulo Luz, afirmou nesta terça-feira que o cenário...

'Respostas virão quando a bola rolar', diz Cazares

O meia Cazares, do Atlético Mineiro, se manifestou na noite desta terça-feira sobre a...

De olho na presidência do São Paulo, Marco Aurélio Cunha deixa cargo na CBF

De olho nas eleições para presidente do São Paulo, Marco Aurélio Cunha deixou nesta...

Ao comentar o fato nesta quarta-feira, o atacante minimizou o jejum de bolas na rede e enfatizou que o mais importante é o time botafoguense manter o bom momento que vive e ele ajudar os seus companheiros a conquistar novas vitórias – a equipe vem de três triunfos consecutivos no Campeonato Brasileiro.

“Tenho algumas chances (de gol), mas cada um tem seu papel. Em alguns jogos, vou fazer o ‘trabalho sujo’ para que outros possam marcar. Não estou preocupado com isso, quero ganhar. Sei da minha capacidade e as coisas vão acontecer naturalmente”, afirmou Diego Souza, em entrevista coletiva.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Principal contratação do Botafogo para esta temporada, o experiente jogador de 33 anos admitiu que é uma referência e precisa exercer um papel de liderança dentro de campo, independentemente de marcar ou não gols. “Sei da minha importância. A gente procura ajudar com a experiência e tentando aumentar o nível dos companheiros. Cobra preenchimento de área. Jogamos com dois pontas. Quando a bola está de um lado, cobro para o outro ponta entrar na área comigo. Eu já entro na área marcado, quem vem de trás é a surpresa. Arrumando esses detalhes as coisas vão acontecendo”, explicou.

Diego Souza também exaltou o bom trabalho que vem sendo realizado pelo técnico Eduardo Barroca, lembrando que “com tudo o que aconteceu no início do ano, poderia ser um desastre”. “O Barroca conseguiu encontrar um padrão de jogo, deu confiança a quem precisava e fez um jogo bem jogado. O torcedor hoje está feliz com o que tem visto em campo. Time com personalidade com a bola, que consegue envolver os adversários, e os resultados têm aparecido”, enfatizou.

O elenco botafoguense realizou na tarde desta quarta-feira o seu segundo treino da semana visando o duelo contra o Goiás, no próximo domingo, às 16 horas, no Serra Dourada, pela quinta rodada do Brasileirão.

JEAN E ALEX SANTANA LIBERADOS – Também nesta quarta, em julgamento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), os volantes botafoguenses Alex Santana e Jean escaparam de punições após terem sido expulsos em partida contra o Juventude, pela Copa do Brasil, e estão liberados para enfrentar o Goiás.

Ambos foram denunciados por jogada violenta e enquadrados no artigo 254 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), mas Alex Santana foi apenas advertido e Jean absolvido pelos auditores da Terceira Comissão Disciplinar do STJD.

Já o Juventude recebeu uma multa de R$ 10 mil por causa de injúria racial cometida por um torcedor contra o atleta Gustavo Bochecha, do Botafogo, durante confronto da Copa do Brasil. Presente no julgamento, o jogador identificou na imagem mostrada pelo relator Vanderson Maçullo e confirmou que o torcedor detido foi o que cometeu a injúria racial.

“Quando cheguei mais para trás esse torcedor ficou me chamando de macaco, macaco, macaco, várias vezes. Fui na direção dele e ele continuou me xingando e depois foi para o outro lado. Na hora falei com meu preparador físico e faltavam duas substituições para fazer. Quando a gente voltou para o banco, após as substituições, falei com o quarto árbitro e vi que ele estava perto do banco de reservas… Eu via passando na TV e nunca tinha acontecido comigo. Na hora fiquei triste e com um pouco de raiva. Depois parei para pensar que não valia a pena. Considero discriminação e reprovo o ato”, afirmou Gustavo Bochecha.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.