Geral

Casos de dengue avançam 339% no Brasil

COMPARTILHE
Dengue Fever: Symptoms and Prevention
29

Os casos prováveis de dengue no Brasil chegaram a 451.685 até o dia 13 de abril, conforme boletim divulgado nesta terça-feira, 30, pelo Ministério da Saúde. O número de ocorrências teve um aumento de 339% em relação ao mesmo período do ano passado, quando houve 102.681 casos. O número de mortes também subiu 186,3%, passando de 66 para 123.

Witzel pede 'rigorosa apuração' da causa da morte de bombeiros

Três bombeiros morreram quando combatiam um incêndio na uisqueria Quatro por Quatro, no centro...

Vídeo mostra operários martelando colunas pouco antes de prédio desabar

Vídeo do circuito de câmeras de segurança do Edifício Andréa, em Fortaleza, mostra operários...

Procuradoria pede a Salles detalhes de plano contra óleo no litoral

A Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural do Ministério Público Federal (4CCR) enviou,...

Conforme a pasta, 994 municípios – 20% do total pesquisado – têm alta infestação do mosquito transmissor, o Aedes aegypti. Em relação à dengue, o maior número de pessoas doentes está na Região Sudeste, com 65% dos casos prováveis.

Oito unidades da Federação apresentaram incidência superior a 300 casos por 100 mil habitantes. A situação é mais preocupante em Tocantins e Mato Grosso do Sul. Em São Paulo, onde a epidemia se concentra no interior, o índice é de 349,1 casos por 100 mil habitantes.

Continua depois da publicidade

Moradora de Sorocaba, no interior paulista, a doceira Clélia Alves, de 34 anos, entrou para as estatísticas. “Quando começou a dor de cabeça e em volta dos olhos, logo percebi que estava com dengue”, conta ela, que contraiu o vírus em março. “O corpo todo começava a coçar e à noite eu não dormia de tanta coceira. Depois veio a febre, de 39 graus”, lembra. Clélia se recuperou da doença e agora está em alerta para eliminar os focos do mosquito na vizinhança.

Conforme o Ministério da Saúde, o aumento no número de casos mesmo fora do verão se deve a condições ambientais como temperatura elevada e chuvas. A pasta identificou alta circulação do sorotipo 2 do vírus, o que contribui para um aumento no número de casos. Quando há mudança no sorotipo circulante, as pessoas infectadas passam a ter sintomas mais evidentes da doença. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

José Maria Tomazela
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade