Cidades

Prefeitura de Alegre esclarece boato de van com falso agente de saúde

COMPARTILHE
4503

Moradores de Alegre vivenciaram momentos de aflição durante esta quinta-feira (25) depois que um boato que uma van, de cor branca, estaria circulando em bairros das cidades com falsos agentes de saúde começou a ‘viralizar’ em grupos do Whatsapp e em redes sociais. Os agentes estariam realizando testes de glicose com agulhas infectadas. 

Dentistas da prefeitura levam ações de prevenção em saúde bucal a escolas

Por meio de sua equipe de dentistas, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) vem...

Secretário preso na Operação Ouro Velho recebe liberdade provisória

O Juíz Bruno Fritoli Almeida, da Comarca de Guaçuí, concedeu o alvará de soltura...

Mesmo com caixa garantido em R$ 500 milhões, Marataízes não consegue superar problemas de alagamentos

Mesmo com recursos garantidos, de forma retroativa, em R$ 500 milhõe oriundos de um...

A Polícia Militar, ao tomar conhecimento do fato intensificou a fiscalização e abordou um veículo com as características denunciadas, no distrito de Celina.

A ação foi acompanhada pelo secretário municipal de Saúde, Adalberto Louzada. O veículo sob suspeita era de uma empresa mineira com representantes comerciais de produtos para massagens. Durante as buscas, nada de ílicito foi encontrado e o veículo não apresentava nenhuma irregularidade.

Continua depois da publicidade

Devido a disseminação da fake news, a prefeitura de Alegre emitiu uma nota para explicar o ocorrido e tranquilizar a população.  Leia:

“Os boatos de que pessoas estão chegando nas casas, dizendo serem da área da Saúde e abordando para coletar sangue para teste de glicose não são verdadeiros. Na realidade são representantes de uma empresa mineira de produtos de massagens. A Secretaria de Saúde, a fiscalização da PMA juntamente com a PM já fizeram as averiguações e foi constatado que são representantes comerciais. Foi averiguado todas as documentações, a Van foi vistoriada e não foi encontrado nenhum material perfurante ou que remeta a atividades de enfermagem ou médica”.

Os militares conduziram os suspeitos para a Unidade de Polícia Judiciária de Alegre para prestarem esclarecimentos. Eles foram liberados e saíram da cidade.

 

Publicidade